Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Era uma vez...Quintais

               Manhãs coroadas de sereno,
               Quintais imensos, mangueiras sombrias,
               Pão quente, cheiro ameno,
               Saído do forno á lenha. No quintal,
               Galinhas.Na manhã bela e fria,
               Um raio de ouro ardente,
               Rasga o arvoredo, e joga fogo no avental,
               Que é sujo de trigo, adereço das avós.

               Mais que quadro bucólico,
               Muito mais que saudosismo,
               É o desfazer dos nossos nós
               Ao toque mágico,melancólico,
               De um mundo,avesso ao consumismo.

               Mais que bucólico quadro,
               È a viva sensação na boca,
               È o gosto de pão assado,onde me enquadro.
               Manhã completa.Longe da,louca,
               E doentia febre do concreto,que sobe,
               Sobe,e sufoca,e asfixia,e sobe...
               
               Quanto valeria uma manhã assim?
               Quanto vale afinal?
               Olha,que nessa manhã,tem redes,
               Também, aquelas de pescar, surubim...
               E, as galinhas que ciscam no quintal,
               Nunca ouviram falar de gripe aviária,
               E só temem, a receita..culinária,
               Não a ....federal.
               Nessas manhãs,a agua,mais parece cristal,
               E até da vontade de ter sede.

              Quanto vale,investir,lutar,
              Pra se ter uma manhã assim?
              Será,que vale abdicar
              Do consumismo sem freio,
              E da tirania do poder enfim?
              Eu creio que sim.Eu creio.
             
              Ou será,
              Que,das nossas crianças,os sonhos,
              serão embalados por contos de outrora,
              Quando,o mundo,era menos castanho,
              Quando tudo não era só...estanho...
              E,falaremos de um tempo,
              Levado pelo vento,
              Quando,calmas,preguiçosas,
              E belas,e fartas eram as auroras,
              E que nesse mundo de antanho,
              Havia tempo pra um dedo de prosa...
             
              E contaremos de um tempo,
              Em cujo tempo,a agua,
              era tão pura,tão cristalina,
              Que o fundo se podia ver,
              E na fonte mesma beber.
              E que os peixes,eram...turmalinas,
              As quais se podia comer.
               
                       Então...
             Então nossos descendentes,
             Olhar consternado
             Nos dirão inclementes:
             O que fizeram desse reino encantado ???
   
   
             
               
                     

               
Teca
Enviado por Teca em 08/04/2006
Reeditado em 29/04/2006
Código do texto: T135757

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (citar a autoria de Teca e o site www.recantodasletras). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Teca
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil
1121 textos (122855 leituras)
5 e-livros (1459 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 02:11)
Teca

Site do Escritor