Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DESÂNIMO = TÂNIA AILENE

DESÂNIMO

TÂNIA AILENE

 

O não ter alegria

não ser dona de nada

assim me sinto...

Só faço o que querem

Nada tenho o direito de fazer

o que para os outros nada é...

Dorme-se demais...

Quando acordada estou

Porque não dorme?

Ao falar, só o que querem escutar...

Para ficar em silêncio, tem um porque:

Que vida é essa?

Que nada posso...

Para agradar o outro não existo...

A ninguém importa o meu pensar

sim o que esta dentro deles...

A vingança é esta

Estes nunca vão saber...

Bobos, normais, doentes, sangrando,

Não mostro mais,,,

Levo a correnteza comigo

o ser que diz:

Está bom, agora vamos, nada sinto...

É como se não existisse

Pena tenho do tempo

Que me machucou

se mostrando perverso

com meus sonhos...

Alegria para sempre morreu

Fui roubada, nas ilusões, esperanças,

sentimentos  profundos.

Dor está não sinto

se sentir me calo

as portas e janelas da vida

se fecharam antes da hora...

Tempo de desespero

desatino do vagar...

Desânimo sempre trago

a ausência do tempo

que vive a rondar

a falta de vida...

 

23/03/2006

TÂNIA AILENE
Tânia Ailene Nua Poesia
Enviado por Tânia Ailene Nua Poesia em 24/04/2006
Código do texto: T144273
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Tânia Ailene Nua Poesia
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
886 textos (30278 leituras)
28 áudios (1362 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 22:22)
Tânia Ailene Nua Poesia