Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

tropeço numa manhã de abril

naturalmente,
o que se há de fazer?
há um recalque de sobras na estrada
largadas ao canto feito descarte
obrigadas a se calar diante da alma;
quem há de julgar os sentimentos?
sobras de sentimentos puros e decadentes
que se enroscam na argila e na lama
arrastando por vários anos feito corrente de antigos escravos.
há uma emoção intercalada
prestes a estourar feito vulcão
na forma de milhões de palavras vertendo ágeis
e alcançando a cara das estátuas de bronze
que nada medem senão o tempo das aras;
um tempo bom parece previsto na bonança de abril
depois de passar toda turbulência dos olhares
e após o enterro absoluto de um coração.
triste, minuto de luto;
choro com aroma de terra molhada
a vida de lá se foi e quem vai construir pra cá?
quem vai admitir um recomeço do zero?
não há novo zero.
não há nova cara.
o que ficou?
apenas o hiato de um sonho
e a realidade incrustrada na estrada,
a mesma estrada que deve ser percorrida
independente das sobras de amor largadas na beira;
o passo deve continuar,
e a vida, quem sabe lá?
Donato Campos Dias Aguiar
Enviado por Donato Campos Dias Aguiar em 25/04/2006
Código do texto: T144973

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Donato Campos Dias Aguiar
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
92 textos (3229 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 04:24)
Donato Campos Dias Aguiar