Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Um céu de tristeza


Now, eu não sei o que fazer,
Com este infinito nos meus olhos,
Plantado nas minhas órbitas,
Vivido pelas minhas luzes.

Como arde nos pensamentos,
A demasiada impaciência,
Antes de chegar o outro dia,
Eu não sei viver no vazio.

Ó meu Deus! Deus meu Deus!
Riachos de prantos deslizam,
Em vários instantes de abril,
Mácula instantânea – feriu!

Não posso viver um presente,
No pretérito que porfia,
Reduzindo o meu pensar,
Ineficaz da matriz do cérebro.

Um dia quem sabe, eu terei alegria,
Em poder olhar e apreciar as tuas páginas,
Da louca perdição que se fez no tempo,
Eram as primícias dos meus escritos.

Aonde eu vá, não descuido de pensar,
Nas letras perdidas que eu não sei escrever,
Nem o tempo soube ensinar-me,
A desfazer o sonho que não vence as eras.

Um dia, numa era distante
O meu livro perdido se abrirá ao meio,
E os anjos do céu farão a devida entrega,
Do ouro derramado num céu de tristeza.

Inoperância do meu falar,
Impugnado nas razões intempestivas,
Sucedâneo das minhas alegrias apertadas,
Nestes versos irei contemplar.




 
ERASMO SHALLKYTTON
Enviado por ERASMO SHALLKYTTON em 06/05/2006
Reeditado em 07/10/2013
Código do texto: T151360
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
ERASMO SHALLKYTTON
Caxias - Maranhão - Brasil
4168 textos (2054795 leituras)
1 áudios (971 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 08:05)
ERASMO SHALLKYTTON

Site do Escritor