Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Mergulho num mar confuso
Não sei onde vou parar
A saudade é um abuso
Um sentimento obtuso
Que me faz delirar

Preciso sair desta prisão
Voar livre sem destino
Quem inventou a solidão
Não tinha alma e coração
Andava sobre gelo fino

Perdeu-se o belo encanto
Que tinham os olhos meus
Estou calado, não canto
A noite traz no seu manto
A dor velada de um adeus

Deixe-me pensar no que sinto
Mergulhar no meu infinito
Quero perder-me no labirinto
Tornar esse poema extinto
Frear na alma meu grito

Subirei ao mais alto cume
Onde o amor não me alcança
Lá não sinto o perfume
É nulo e tolo qualquer ciúme
E perece a frágil esperança

Serei uma estrela decadente
Que perdeu o brilho e a cor
Haverá lembranças ausentes
Um imenso vazio somente
E a solidão fria do desamor

      

"... e o poeta pegou a estrada e seguiu só, o seu caminho..."
Edil Franci
Enviado por Edil Franci em 11/05/2009
Reeditado em 11/05/2009
Código do texto: T1588641

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Edil Franci e o site www.recantodasletras.uol.com.br/autores/edilfranci). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Edil Franci
São Paulo - São Paulo - Brasil
890 textos (65180 leituras)
2 e-livros (119 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/10/14 09:11)
Edil Franci



Rádio Poética