Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

VIDA MORTA

O dia amanheceu feio, nada tinha cor...
Caminhei no quintal entre as plantas
Procurando não sei o quê...
Fui prá lá, vim prá cá, e avistei várias formigas
Correndo, umas atrás das outras...
Enfileiradas!

Sentei-me em um banco de pedra no jardim
E comecei a observá-las...
Então percebi como aquela comunidade era unida
E aí, dei pela falta de gente...isso mesmo!
Falta de gente ao meu redor
Tanto, que até desejei ser uma delas!

Naquele momento, senti inveja da vida delas...
Inveja do trabalho para conseguirem seu sustento
Da divisão de tarefas que faziam durante aquele percurso
Daquela disposição cheia de vigor e energia!

Entristecida e desolada, comecei a observar as flores
E avistei uma delas quase sem vida, murcha...
Num sobressalto, reconheci em sua fragilidade pálida
O retrato vivo da minha própria alma
E foi então que, cabisbaixa, fechei os meus olhos
E chorei amargurada, diante da minha vida, morta!
Laura Limeira
Enviado por Laura Limeira em 27/05/2006
Código do texto: T164136
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Laura Limeira
Recife - Pernambuco - Brasil
62 textos (3168 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 18:35)
Laura Limeira