Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

VoRaCiDaDePoÉtIcA

Cada vez que me olho no espelho
Sinto necessidade de morrer
De elevar-me às áreas de outrem
Desfazer-me materialmente
De tudo que me destrói.

Meu rosto ao fitar-se
Sente-se inútil:
- Tenho mãos que não agem
Olhos e boca que de nada servem
Tenho a forçaa sem ação
      - sou o gênio abortado
        Sem conhecimentos racionais
        Louco a seus próprios olhos

Que diante do nada que possui
Segura a caneta
E imortaliza o seu fracasso
Em papéis inocentes:
Sou inútil!
Dio Lenno
Enviado por Dio Lenno em 07/06/2006
Reeditado em 14/06/2006
Código do texto: T171175

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Dio Lenno
Macapá - Amapá - Brasil, 31 anos
211 textos (12930 leituras)
3 áudios (311 audições)
1 e-livros (4 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 14:39)
Dio Lenno