Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O REI DAS CINZAS E A BORBOLETA

A ti, a mais sublime entre as sublimes
O REI DAS CINZAS E A BORBOLETA

Quero que saibas
Que não se desliga o coração
Com um simples
E terrível
Premir de um botão

Pois o que sinto
São mundos
De uma infinita beleza interior
Que tos entrego
Com todo o meu amor

Por infernos passei
Terra que semeia e colhe cinzas
São os domínios
Onde sou Rei
E lá um dia
Vi uma borboleta
Que fez renascer
A minha adormecida
Fé de poeta

Penso que sabia
Desde sempre
Nunca a poder cativar
Uma coisa era tê-la presa
Outra era fazer
Que ela pudesse amar

Mas nem por isso
O sonho desapareceu
E ali fiquei
A observá-la
E a ama-la
Erro crasso
Que o Rei cometeu

Partido em mil bocados
Tinha-a a meu lado
Ignorando que ela vinha
De outra terra de cinzas
E que por ali por acaso
Tinha vindo parar
No seu voo incerto
Duma alma pelo belo a desesperar

Apesar das suas palavras
Ditas sem o dizer
Onde dizia
Que a esperança
Em mim havia de morrer
Pintei-lhe o cinzento
De todas as cores do universo
Pintei-lhe o mundo de alegria
Pois era a minha forma humilde
De dizer que a queria por perto
Passaram mil anos
E mais mil se hão de passar
Eu amei-a cada vez mais
Apesar de todo o seu lamento
Todo o imenso chorar
Observámos juntos o renascer
De milhões de auroras
Amávamos o impossível
E pela eternidade fora
Ficámos juntos
E rezávamos juntos
Para que a tristeza se fosse embora…

O rei das cinzas e a borboleta
Miguel Patrício Gomes
Enviado por Miguel Patrício Gomes em 11/07/2006
Código do texto: T191718

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Miguel Patrício Gomes
Portugal
5078 textos (170357 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 14:39)
Miguel Patrício Gomes