Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
A LÁGRIMA AMORTALHADA


Jáz retida dentro do peito,

A vontade da partida!

Permaneço, neste meu jeito,

Numa instância indefenida!


Não sei se fico ou se vou,

Nem se busco ou perco tudo!

Desgosto-me do que eu sou!

Acomodo-me e nada mudo!


Eu quisera ser banal,

Despreocupada, isso sim!

Fazer da vida um carnaval,

E não sofrer tanto assim!


Até a lágrima me evita,

Até ela me despreza,

Só minha sombra me visita,

Quando m'encontro indefesa!


Por favor, lágrima flui!

Sai do meu peito sofrido,

faz-me ser o que não fui,

chora por mim, eu não consigo!



Lava-me o rosto da poeira,

Que o Vento da Vida, lançou!

Escuta a prece derradeira!

Desta alma, que se findou!

Aguarela Matizada
Enviado por Aguarela Matizada em 22/07/2006
Reeditado em 21/05/2010
Código do texto: T199266

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Aguarela Matizada
Brisbane - Queensland - Austrália, 57 anos
266 textos (10830 leituras)
8 áudios (206 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 04:07)
Aguarela Matizada