Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
Caminhos tortos

Minha alma em mim não se cabe torpe.
Meus pés perambulam trincheiras
Revéis à minha condição de ser pensante,
Anunciando o dia da última fala,
Último som,
Último eu.
A voz que afagava meu coração,
Inebriava-me o corpo,
A tua voz, em silêncio dilacerante,
Rompe minha racionalidade,
Qual estoque penetra meu peito.
Estropiada, mofina mulher me torno.

Cala em mim uma luz.
Estrondo, estampido...
E em minha cabeça uma dor aguda,
Feroz, mortal.
Morro eu,
Morres tu,
Morremos nós, de sonhos e de sons.
Já não nos fazemos alegres.

Parti sem te dar adeus
Parti sem ver o rosto teu
Parti deixando para trás parte do meu Eu
Parti rompendo em lágrimas.
Partida ora estou
A lugar algum cheguei...
Eis me hoje, parte morta-viva,
Sem nenhum lampejo ou despojo,
Posta ao canto dos castigos,
Aos sons que tintinam na lembrança,
Aos caminhos entrincheirados
Que minhas próprias mãos cavaram.
Poeira, ventania, estrada,
Trilhas que jamais percorrerei,
Banhos que jamais tomarei,
Cicatrizes que nunca mais verei.

Não há lápide!
Se houvera, assim teria:
Aqui jaz,
Alma Suja e Informe,
Que não fecunda nem dorme...

Divina Reis Jatobá
Enviado por Divina Reis Jatobá em 17/09/2006
Reeditado em 19/02/2007
Código do texto: T242479

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Divina Reis Jatobá - recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Divina Reis Jatobá
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 55 anos
289 textos (39970 leituras)
6 áudios (1218 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 19:47)
Divina Reis Jatobá