Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Esquecer...

                        Memória!
                        Maldita seja a memória!
                        Memória maldita!

                        Uma dama no passado
                        Foi meu amor tantas vezes
                        Aberto ao mundo que conheço
                        Em meus poemas.
                        Alma toda
                        E coração todo
                        Para ela,
                        Inefável ela,
                        Mais Deusa Do Amor
                        Do que a Deusa Afrodite,
                        Mais Santa Virgem
                        Do que a Santa Maria.
                        A Deusa revelou-se
                        A diabólica Lilith,
                        A Santa fez-se
                        A traiçoeira Dalila,
                        Eu me transfigurei
                        Em um bardo Orfeu
                        Sem a amada perdida Eurídice,
                        Preso ao Inferno,
                        Torturado pelo meu
                        Amigo Diabo
                        Em infernal crise.
                        Nenhum grito que dou,
                        As ruínas que recebo,
                        As quedas que conheço,
                        As trevas que me encobrem
                        Nas trevas que me acolhem,
                        A ela não me fazem jamais
                        Esquecer...

                        Memória!
                        Maldita seja a memória!
                        Memória maldita!

                        Outras damas no passado
                        Me atrevi a desejar,
                        Sonhos de paixão,
                        Arremates de sensualidade,
                        Fulgores febris de empolgação.
                        Incinerei-me na carne,
                        As brasas estão ainda
                        Em meu corpo,
                        Modelo virgem de solidão,
                        Ainda faminto,
                        Ainda pedinte,
                        Ainda pensante,
                        Ainda querendo amar
                        E ainda sendo jogado
                        Nos laços do nada amar.
                        Elas fugiam,
                        Elas fugiram,
                        Elas fogem,
                        Elas fugirão,
                        Sou como um monstro asqueroso,
                        Um reto resto de podre ser
                        Ignorado,
                        Rejeitado,
                        Desprezado,
                        Esquecível,
                        Esquecido.
                        Elas possuem este poder,
                        Um poder que nunca
                        Será do meu alcance,
                        O poder de me
                        Esquecer...

                        Memória!
                        Maldita seja a memória!
                        Memória maldita!

                        Damas muitas no passado,
                        Primaveris criaturas,
                        Deliciosas construções,
                        Verdadeiras realizações,
                        Supremas consagrações,
                        Ao longe,
                        Ao longe,
                        Ao longe,
                        Observadas pelos meus olhos tristes,
                        Que pena...;
                        Ambicionadas pela minha alma,
                        Que tortura!;
                        Postas em meu ser como pinturas,
                        Que infelicidade...
                        Tantas damas...
                        Tantas e tantas damas...
                        Tantas damas...
                        Tantas damas...
                        Ó,
                        Damas,
                        Por que correm para os braços
                        De outros cavalheiros?
                        Ó,
                        Damas,
                        Sou indigno de vossas almas?
                        Elas respondem com a alma,
                        A resposta,
                        A resposta,
                        Que a minha alma encontra:
                        Para os braços de outros cavalheiros
                        Elas sempre irão,
                        São mais dignos os braços deles
                        Do que os meus,
                        Mais afeitos às suas almas
                        Do que os meus...
                        Solto todas as minhas lágrimas,
                        Amigas lágrimas,
                        Às quais eu peço a glória
                        Da mais forte glória do
                        Esquecer...
                       
                        Memória!
                        Maldita seja a memória!
                        Memória maldita!

                        Dama nenhuma no presente,
                        Quero-as distantes,
                        Quero-as muito distantes,
                        Do meu corpo maltratado,
                        Do meu coração estraçalhado,
                        Da minha mente abatida,
                        Da minha alma assassinada,
                        Do meu espírito danificado,
                        Do meu Eu mumificado.
                        Se há mesmo qualquer Deus,
                        Deus sem máscaras,
                        Deus sem rótulos,
                        Deus que não é vendido
                        Como o produto de uma feira,
                        Lanço  a tal Deus agora
                        Um doloroso pedido,
                        Um grito aflito de clemência,
                        Um humilde pedido:
                        Afaste-as,
                        Afaste-as,
                        Afaste-as,
                        Que elas continuem
                        Distantes,
                        Não quero hipócritas cintilantes
                        Ou belezas inalcançáveis,
                        As mesmas desgraças
                        Do meu passado platônico.
                        Peço-Lhe para esquecer até o
                        Esquecer...

                        A memória!

                        A memória não apagou-se!
 
                        A memória aqui comigo!
                       
                        A memória ainda comigo!

                        Deus me esqueceu!

                        A memória não me esqueceu!

                        A memória não me esquece!

                        A memória não me esquecerá!

                        Memória!
                        Maldita seja a memória!
                        Memória maldita!

                        Dama nenhuma no futuro,
                        Lacrado o túmulo
                        Da minha última forma
                        De encontrar felicidade,
                        Esta piada de fealdade
                        Contada pelos idiotas,
                        Contada pelos imbecis,
                        Que não existe,
                        Que não existiu,
                        Que não existirá
                        Em mim,
                        Em ti,
                        Em todos!
                        Se tu és um cavalheiro sem dama
                        Como eu,
                        Identificado com este poema
                        Detalhando o desastre puro
                        Que é o não-esquecer,
                        Abrace-me
                        E chore.
                        Se tu és uma dama sem cavalheiro,
                        Identificada com este poema
                        Tão ardorosamente escrito
                        Pela minha loucura por procurar
                        O esquecer,
                        Abrace-me
                        E chore.
                        Lestes minha alma,
                        Lestes meu espírito,
                        Lestes meu corpo,
                        Lestes meu coração,
                        Lestes minha mente,
                        Lestes meu Eu,
                        Cavalheiro que me
                        Abraça
                        E chora,
                        Dama que me
                        Abraça
                        E chora.
                       
                        Uma bala nas têmporas
                        Atravessando...
                        Um corte bonito nos pulsos
                        Adotando...
                        O alto de um prédio
                        Chamando...
                        O alto de uma ponte
                        Atraindo...
                        São todos caminhos,
                        Os únicos entre muitos,
                        Para o
                        Esquecer...

                        Mesmo morto eu sei
                        Que não teria o
                        Esquecer...

                        Mesmo morto eu sei
                        Que não alcançaria o
                        Esquecer...

                        Morto estou desde o meu nascer
                        E é mais isto o que eu não vou
                        Esquecer...

                        Memória!
                        Maldita seja a memória!
                        Memória maldita!




Inominável Ser
Enviado por Inominável Ser em 01/11/2006
Reeditado em 01/11/2006
Código do texto: T278974

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Inominável Ser
São João de Meriti - Rio de Janeiro - Brasil, 40 anos
85 textos (31719 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 00:09)