Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ROSAS PÁLIDAS

Nos escombros da lembrança,
Uma rosa pálida ainda respira,
E evoca a saudosa recordação,
Numa insensível dor que belisca o amor

Aqui estou, neste evento coletivo
Que precede o inevitável sepultamento.
Vejo-te coberta por descoradas  flores,
Imóvel, no leito fúnebre que desorienta.

O desamor perpetuou,
Arraigando a infinda solidão
Que teima em suscitar
Inanimadas recordações.

Apático, o glacial coração
Repousa em lástimas
Com o sentimento entocado
pelo acúmulo de decepções.

Ronda o flerte das falsas amigas,
A cobiça espreita, meu coração rejeita.
Apenas respiro o perfume
Do amor que não aconteceu.

O ensejo não aclara o momento.
Sonhos com alusões insanas.
Feito navalha do amor,
Corriqueiros pesadelos tatuam  dor.

O turvo castelo desconstruído;
Desprovido de sol, carente de lua.
Um utópico reinado de amor
Mergulhado no difuso paraíso.

O fel da desilusão lambe a esperança
Com a voraz mortalha do desencanto.
Reluz a  premonitória do desespero
No silencioso gesto do cortejo fúnebre.

A luz do viver se transforma em penumbra.
A perda insere a danosa separação
Explicita na cerimônia do sepulcro,
Onde o sorriso das flores não pode chorar.

Contemplei o mistério da viagem da vida
No indecoroso despojo da morte,
Que não interrompe a trajetória da aura,
Mas, destitui a razão e faz soluçar o coração.

No jardim florido que emanava fragrâncias,
Agora repousam flores desprovidas de vivacidade,
Com botões tetraplégicos que não desabrocham,
Protestam, conluiados no ato silencioso.

Sobre a lápide gelada, rosas em coma.
O destino interceptou meu amor.
Ainda sinto tua aura me solicitando.
Vejo-te em outra vida, nesta, Deus te chamou.


Paulo Izael
Enviado por Paulo Izael em 21/11/2006
Reeditado em 30/11/2006
Código do texto: T297221
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulo Izael
São Paulo - São Paulo - Brasil
206 textos (27425 leituras)
1 áudios (171 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 12:29)
Paulo Izael

Site do Escritor