Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

voando


ninguém quer voltar atrás
pra me ver lá no inicio
não sei escolher qual de suas lindas mensagens ditas aos meus olhos
nós perdemos a nossa meia-vida
quando desaparecemos e sumimos do mundo
agora eu estou te chamando de volta a mim
e sei que nada encontrarás
que nada encontrarás!

eu poderia desejar voar
agora eu sei o quão dolorido é bater as asas e ir de encontro a você
você é 50 vezes mais linda do que eu imaginei
e 50 vezes mais falsa do que eu jamais ousei esperar
você tem que acreditar
em toda a vez que eu falo que estou quebrado e a beira da morte
e esse é o meu único caminho enfim e pra sempre

algumas decisões nossas nos pegaram de assalto
e muitas delas serviram apenas pra mostrar a tua imaturidade
essa é a razão de tua dor
você diz que eu vivo na ilusão
enquanto você é ela própria
enquanto você domina tudo o que é Santo
e nada me conta de seus amores
e me deixa no escuro clamando por você
esperando que eu te clame aos 10 ventos

onde estão as minhas velhas e tão calorosas filosofias?
onde está todo o meu valor antes impensável e agora conquistado?

estou perdido, eu tenho de confessar
estou afoito eu não tenho onde me segurar
minha garganta corta as estrelas do céu chamando por você
e nosso cálice nunca se embriaga de amor
porque você está deixando teu salvador a ver navios





estou só, frio e perdido
não há mais como me segurar
as sementes de lagrimas me descem por dentro
e caem pesadamente para fora de meus olhos
não há para onde seguir
não há com quem seguir
espero a Rendenção
espero tudo mudar

espero que você já não mais se arrependa
quando você acordar e eu já não mais estar aqui ao teu alcance...

deixe eu voar mesmo sem saber pra onde ir
isso é tudo tão confuso
mas é emocionante viver assim
ainda que a beira da morte
ainda que penando
ainda que sem você ou com a menor esperança na mendicância

tenho tanto pra dizer
mas me dói pensar demais
tenho tanto pra esconder
mas me dói demais saber que você não volta tão cedo

liberdade que não vem
alegria que se estagnou
estatuas de pedra que me chamam e eu não dou atenção
tudo acaba
quando eu gritar FIM
deixe-me ir
sem um alvo sequer para cair em seco
sem um mínimo de cota a pagar
sem um mínimo de respeito pra desfrutar

me deixe sem som
quando eu deitado com minha cabeça ao travesseiro estiver
você vir e tapar o som da minha respiração ofegante e insistente
é fácil me matar
continue como estás...
Rônaldy Lemos
Enviado por Rônaldy Lemos em 29/11/2006
Código do texto: T304417
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rônaldy Lemos
Florianópolis - Santa Catarina - Brasil, 34 anos
1173 textos (70497 leituras)
70 áudios (455 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 04:57)
Rônaldy Lemos