Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AMARGO LAMENTO



Sinto que tua partida é inevitável.
Não preciso nem mesmo
Olhar em teus olhos.
Vais embora,
Desta vez para sempre.
Não quero olhar para você;
Não desejo sentir vontade de chorar.
Vais para longe, meu coração sente.
Vais para longe de mim,
Nunca mais irás voltar.
Acabou, bem sei, pouco importa,
Nosso amor nunca enxergou futuro.
Entretanto o tempo em que se amou;
Não mais será cortado de nós.
Sufocando o desejo inconseqüente,
Falta-me o ar que tive a teu lado.
Enfim é chegada à hora.
Nós sabíamos, mas, tentamos esquecer, adiar;
Para ao menos sorrir nestes últimos dias.
E de repente... A hora é agora;
E num súbito, nós ficamos mudos.
O ato silencioso impera absoluto.
Tudo se torna difícil de dizer.
O melhor é não dizer nada,
Apenas a emoção do olhar.
Não pesa que a verdade foi momento.
Meus sonhos decepados friamente.
E o desconexo desse sonho desorienta,
Exacerbando o dissabor do abandono
Que resulta na perda da razão.
De mim foi subtraído o sentimento.
Caçôo-me ao te surpreender,
(Ainda) em mim, teus fragmentos.
Nessa entrega só eu me pertenci,
Entristeço de haver amado assim.
Incrédulo, vejo-a partir,
Vejo partir a minha existência.
Em menos de um segundo,
Tudo se transformou abruptamente.
O prenúncio do temido fim
 Produz calafrios amargurados.
Da pedra fez-se pó e tudo
Desencadeou-se sobre mim:
Planos alterados, coração sem amor,
Tudo sucumbido, esquecido, perdido...
E pensar que tudo era belo, florido.
Deprimida, a saudade soluça,
Sentindo a partida.
Nada é para sempre,
Nada dura o quanto desejamos.
Vais, pode ir embora;
Mas não olhe para trás com um aceno
Senão, não suportarei a dor;
E não deixarei você partir...


Paulo Izael
Enviado por Paulo Izael em 12/08/2005
Reeditado em 12/08/2005
Código do texto: T42232
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulo Izael
São Paulo - São Paulo - Brasil
206 textos (27425 leituras)
1 áudios (171 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 02:26)
Paulo Izael

Site do Escritor