Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

VIDA DEPLORÁVEL!

Era uma tarde tão deplorável,
Que me vi numa sucessão de decepções.
Eu estava rodeado por inúmeras amarguras,
Tantos fracassos adicionados à trajetória letárgica.
A comoção foi tanta, e duradoura,
Que avistei o sol entristecer,
E derramar lágrimas em fogo
Sobre meu gélido coração descompassado.
Reverenciei o descaminho da solidão
Mergulhando no mar da incompreensão.
Ingeri uísque barato com líquido viscoso
E senti o gosto letal percorrer minhas veias.
Incrédulo, o sol abandonou-me,
Beijando a face romântica da lua.
Atracaram-se num duradouro abraço.
As nuvens aplaudiram causando estrondo.
Eu olhava a esmo, não fixava o olhar.
O corpo parecia estar paralisado.
A ruína estava presente em meu pensar.
Todas as esperanças esbarradas na ingratidão.
Tentei pensar, não reunia forças para raciocinar.
Minha mente confundia-se nos desenganos.
Talvez aquilo fosse parte de provações,
Mas eu já suportara inúmeros sofrimentos;
Já não conseguia gritar, chorar ou reclamar.
Abafados soluços rangiam os dentes.
o frio latejante não incomodava, era apenas um detalhe
Frente ao suplício imposto pela tristeza que castigava.
Naquele momento morria minha intenção de vida.
Vi-me desprezível e descontinuado.
Nunca o desânimo fora tão acentuado.
Inverdades e desencontros afloravam na dor
E exaltavam a ardência no esmaecido coração,
Trazendo lembranças indesejáveis que não mais
Aturdiam a minha extensa sofreguidão.
Ainda tentei relutar contra o desalento,
Mas findei por aceitar e amargar a imposta derrota.
Senti um forte soco implodir no coração...
A taquicardia escurecia meu mundo sem piedade.
Trôpego, cambaleei, abracei o vazio e sucumbi.
Num último esforço, busquei a desgraça enfumaçada.
o efeito entorpecente foi imediato e implacável.
Aspirei todos os malefícios da vida, absorvi a loucura.
O copo equilibrava-se junto aos trêmulos dedos.
Vi-me sorrir e chorar, com os olhos cansados e enevoados.
Em seguida ateei fogo em meus molambos
E senti a temperatura do esquelético corpo implodir.
Meus olhos não mais fotografavam a vida.
Em ziguezague, fui apanhado por um tropeço e adormeci.
Acordei em meio a um tumulto; médicos me fitavam.
Eu estava a ponto de ser objeto de estudo,
Fui esquartejado vivo e devorado por bisturis.
Paralisado, assisti a minha própria autopsia.
Lá fora, podia-se ouvir um tétrico canto fúnebre,
Produzido por pássaros raquíticos e encardidos
Que tingiam de negro o lastimável amanhecer.
Nunca soube se feneci, ou continuo em atividade improdutiva!
Não avistei minha aura tingida com cores da esperança,
O fio que a sustentava não era de aço,
Estava totalmente enegrecido a prestes a se romper.
Talvez em outro plano inferior ou superior;
Na penumbra do limbo ou clareado pela luz do aprendizado,
Eu seja notificado se fui salvo, apenado;
Ou ainda esteja vagando sem rumo,
Assombrado ou fazendo assombração.



"Escrevo o que sinto, mas não vivo o que escrevo"

Paulo Izael
Enviado por Paulo Izael em 21/10/2005
Reeditado em 01/07/2010
Código do texto: T61998
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulo Izael
São Paulo - São Paulo - Brasil
206 textos (27424 leituras)
1 áudios (171 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 20:17)
Paulo Izael

Site do Escritor