Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Tudo terminou como começou.

Em 21/10/1982,às 5:21 teve início
A minha jornada maldita,meu suplício.

Começou um "filme de terror"
Repleto de espinhos e dor.

Uma existência miserável
Um pesadelo inenarrável.

A caminhada de um imprestável
De um covarde lastimável.

Não pedi para nascer
Vir a este mundo sofrer.

A esmo andava
Sempre me lamentava.

A Felicidade dos outros via
Como aquilo me feria.

A Sorte nunca me sorriu
A Esperança de mim desistiu.

A Solidão aos poucos me destruia
Como uma sombra me perseguia.

Eu não podia mais seguir
Precisava meu drama extinguir.

E o suicídio foi a lógica solução
Mas de difícil decisão.

Demorei muito a aceitar
Que não havia razão para continuar.

Não tinha nada
Exceto um'alma retalhada.

Todos as costas me viraram
Friamente me desprezaram.

Nunca ninguém me amou
Comigo se importou.

Tudo perdeu o sentido
Estava sangrando,ferido.

Então decidi parar
E esta farsa apagar.

Adquiri uma arma usada
De numeração raspada.

Foi em um "boca de fumo" que a comprei
50 reais por ela paguei.

E hoje mãe,no dia final,longamante a abracei
Uma rosa branca lhe ofertei.

Disse o quanto a amava
O quanto com vocês me importava.

Fiz de tudo para o pranto segurar
Não queria que me vissem chorar.

A beijei no rosto e fui embora
Pois era chegada a minha hora.

Fui para meu escuro quartinho
Encontrar a Morte abandonado,sozinho.

Sentei-me pela última vez na cama fria
Não suportando a agonia.

Então a gaveta abri,a pistola apanhei
Fixamente a observei.

Não pude mais me controlar
E as lágrimas deixei o chão encharcar.

Com as mãos trêmulas a segurei
Lentamente no peito a encostei.

Por um momento hesitei
Mas não recuei.

Em muitas coisa pensei
No tormento que passei.

Os olhos fechei
Um pedido de perdão à minha mãe balbuciei.

Então fundo respirei
E o gatilho pressionei.

Foi tudo rápido,apenas um segundo
E reinou um silêncio profundo.

Utilizei um silenciador
Para abafar os ruídos de tamanho horror.

E assim acabou tristemente
A história de um tolo incompetente.

Que não deixa saudades para trás
Que a todos com seu fim trouxe a paz.

E tudo erminou
Como começou.

E hoje,21/10/2007,às 5:21 pontualmente
A bala atravessou o coração,fazendo-o para definitivamente!

                      Emerson
Arcanjjus Negrus
Enviado por Arcanjjus Negrus em 02/09/2007
Reeditado em 28/06/2009
Código do texto: T635533
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Arcanjjus Negrus
Pinhais - Paraná - Brasil, 35 anos
1385 textos (90031 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/17 23:35)
Arcanjjus Negrus