Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
NÃO SEI MAS SINTO,QUE OS SERES MAIS TRISTES HABITAM EM MIM,
SEI-O NA MAIOR DAS ALEGRIAS,
PARECE A ALMA LUSITANA,O ETERNO SENTIR DE UMA TRISTE MELODIA,
SERÁ ESTE O FADO,TÃO ENTRANHADO,TÃO CONSTRUIDO E NUNCA DESTRUIDO?

NÃO SEI,NUNCA  VI TAIS SERES,QUE NA MAIOR POESIA,ALEGRIA,ORGIA,
TEIMAM EM CHORAR,SERÁ ESTA A ALMA LUSITANA?
HABITAM NO ESCONDERIJO,ONDE NEM AS TOUPEIRAS OUSAM ENTRAR.
RIEM-SE DA ALEGRIA PORQUE SABEM SER ELA FUGAZ,PROSA DESCONCERTADA,TENTATIVA COLORIDA DA VIDA EM PRETO E BRANCO.

NÃOSEI,MAS ALOJARAM-SE ,FICARAM,PROCURAM LER O QUE NÃO DEVE SER LIDO,ALIMENTAM-SE DOS MAIS TRISTES POEMAS DE TRISTEZA.
SOLTEM-SE AO MUNDO E VEJAM AO MENOS UM RAIAR DE SOL,NÃO VOLTEM  A VOSSA CASA,POIS A POESIA VIVIDA,NA VERTENTE DA ALEGRIA,É PARA MIM LEITURA A SER LIDA E PELA PRIMEIRA VEZ URGENTEMENTE,SENTIDA.
jose duarte
Enviado por jose duarte em 12/09/2007
Código do texto: T649295

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
jose duarte
Portugal, 48 anos
63 textos (12815 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/11/17 21:39)