Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

VIDA PROVISÓRIA (Elegia para Doralice))

Havia um chorinho bem fraco,
como se nem quisesse sair
daquele ser pequenino,
daquele corpinho frágil,
tão magro
e tão cansado de tossir...

Havia também uma mulher (mãe)
que com a criança no colo
ainda conseguia dizer:
- Não chora Doralice.
- Não chora meu amorzinho, olha a tosse...

Doralice... a tosse...  o choro....
e a mulher que insistia em dizer:
- Não chora minha filhinha...
- Não chora senão a tosse malvada vem
  e tu vais sofrer...
- Escarra minha filhinha, isso vai te fazer bem...
como se com aquelas palavras
fosse possível estancar a doença
que já de há muito consumia a sua criança...

E a mãe continuava:
- Doralice olha as estrelas...
- Olha filhinha, olha a lua...
- Olha filhinha olha o céu...
- Doralice, cadê Papai do Céu?

E Doralice arfava...
Doralice tossia...
Doralice chorava...
Doralice gemia
ardendo em febre
no colo da sua mãe.

Doralice pequena, muito pequena, ‘inda nem três anos.
Doralice menina, tão menina,
de feições tristes e olhos já quase sem vida...
Doralice que deveria ter o viço da chegada
era agora tão somente apatia da partida...

A mão afagava aquele corpinho tão frágil
e dizia palavras ternas à sua criança
na ânsia de não deixar morrer
aquela tênue esperança de vida...

Doralice, tantos dias ainda te restariam
se pudesses escapar das correntes desse mal
que te arrastam para as incógnitas planícies
onde a inércia e o silêncio possuem os seus reinos.
Ah! se pudesses escapar desses momentos difíceis...

Doralice! ora é noite e é escuro
mas amanhã haverá luz,
segura as cordas da vida e fica.
Fica, a vida não te seduz?

Havia um chorinho bem fraco,
que já nem  conseguia sair
daquele corpinho tão frágil,
daquele ser pequenino,
tão magro
e tão cansado de existir...

Doralice e a febre alta,
os seus olhos, já quase sem vida
e sem o viço da chegada,
estavam repletos da apatia da partida.

Desesperada,
a mãe mostrava-lhe as estrelas,
as luzes,
o céu,
os carros,
os transeuntes
e tudo em torno...
Então,
ali mesmo no banco da praça,
Doralice fechou os olhos
que ainda não tinham três anos
e, após um suspiro profundo,
tossindo pela última vez
escarrou nos braços da mãe
a sua vida provisória
e partiu deste mundo...

                      (Para uma crinaça que morreu nos braços da mãe
                      a espera de atendimento médico)

                         Belém, 12 de janeiro de 1982
Wanderil Santos
Enviado por Wanderil Santos em 15/09/2007
Reeditado em 01/06/2010
Código do texto: T653010

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Wanderil Santos
Belém - Pará - Brasil, 68 anos
201 textos (13211 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 22:55)