Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Melhor que não te Vejam




Amor tão doce, a beira da fagulha mais bela. Me resgata, se resgata, sente o amargo que todo mundo tem. Vai mais fundo nos contratempos que nos dão Adeus.

Canta a felicidade dos astros, toca tua carne, habita na floresta tão proibida. Grita pra calar a dor, exalar o medo, chamar de meu bem o teu mal.

Respiramos a inconsciência dos maus tratos, sobreposto tão supérfluo quanto viver. O bom espírito abre as frestas da felicidade e teus pedaços devoram. O corte cicatriza, a gota impermebealiza e a imagem perece na nossa imaginação.

O maldito é mais bonito, a mente é o espelho, o risco é a mensagem. Os passos dando os mesmos passos, se obscurecendo diante do divino... Nada mais ecoa, o único som é a risada repetida na caverna, no escuro.

Os algarismos também sentem medo, o também, também é como a gente, obstante, onipotente. Explorando o íntimo se perde a alma, então assim o inferior se acalma. Se ouve mais uma risada... Na caverna, no escuro.


Douglas Tedesco – 12/2004
Douglas Tedesco
Enviado por Douglas Tedesco em 04/10/2007
Reeditado em 04/10/2007
Código do texto: T680483
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Douglas Tedesco
Tijucas - Santa Catarina - Brasil
319 textos (57283 leituras)
35 áudios (2920 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 19:56)
Douglas Tedesco