Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Eis que morri

Eis que morri
no pó da estrada, folha aluída,
decifrada na lonjura que me habita.

Eis que morri,
transparência opaca de ser luz,
de ser palavra, deificada álacre em reverbera.

Caminho-me agora incerta por dentro de rios nítidos,
de sorrisos tímidos de um Sol d’Inverno,
busco na essência de ti, a harmonia, o equilíbrio,
a consciência plena dos regatos dos desertos…
Nos membros retractos plasmam-se contínuos os gestos,
os olhos de solidão estendem-se aqui e mais além,
da raiz das águas às linhas defectivas da palma da tua mão.

E o tempo que me fita,
o tempo que me agita em pranto e dor, vem!
Retalha a carne mascarado de silêncios abolidos.
E os ventos sopram antologias d’enredos
e neles se escoam mortas todas as promessas,
todos os urdumes
de haver caminho por entre negrumes d’aurora..

Eis que morri, em cada flor incauta ao Sol d’Agosto,
em cada mar brutal, em cada navio naufragado
à vista do porto,
pelo peso desmedido de abismos de sal.
Mel de Carvalho
Enviado por Mel de Carvalho em 29/10/2007
Código do texto: T714984

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Mel de Carvalho
Portugal, 56 anos
129 textos (4556 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/10/17 12:07)
Mel de Carvalho