Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Na esquina em que a porta se fechava

A manhã nasceu desordenada.
Tinha nos olhos plasmados sobre as coisas
a dolência dos Deuses revisitados em panteões idos e,
nos lençóis esquecidos, como que perdidos,
permaneciam ainda lenços bordados de cambraia
… lenços dos namorados.
Em cada ruga, num segundo preguiçoso
de madrugadas de Maio,
em cada cheiro em que a rua respigava
liturgias de silêncio,
em que, de lá de fora, a vida lhe espicaçava
num Sol mortal d’alma nua,
vinham, como quem chora, palavras em catadupa,
dobradas no beijo p’la cintura dos joelhos.
As que usara quando lhe falara d'enlevos
de corpos justapostos,
de desenhos navegados de tão lentos,
de sentimentos revoltos,
d’afectos soltos, soltos,
… nas crinas intemporais dos braços do tempo.

Na esquina em que a porta se fechava,
em que a noite a escurecia na palidez do dia,
aniquilou-se em si
se, das dobradiças desengonçadas Novembro
se atrevia e respirava.

Não, já não chorava. Morria!
Mel de Carvalho
Enviado por Mel de Carvalho em 01/11/2007
Código do texto: T719349

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Mel de Carvalho
Portugal, 56 anos
129 textos (4555 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 08:44)
Mel de Carvalho