Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
      AUTOESPELHOGRAFIA
  

O poeta é um fingidor,                                                    
 
Finge tão completamente                               
Que chega a fingir que é dor                                          
A dor que deveras sente                                               
                                                                                             

E os que lêem o que escreve,                                          
Na dor lida sentem bem,                                             
Não as duas que ele teve,                                            
Mas só a que eles não têm.                         
                                                                 
                                       
E assim nas calhas de roda                                               
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda                                                             
Que se chama coração.                                                   
                                                                                                             
                                                                                             
F. Pessoa (“Autopsicografia”)


                                              “(...)
                                              Porque, para que a Dor perscrutes, fora
                                              Mister que, não como és, em síntese, antes 
                                              Fosses, a refletir teus semelhantes,
                                              A própria humanidade sofredora!
                                          
                                              A universal complexidade é que Ela
                                              Compreende. E se, por vezes, se divide,
                                              Mesmo ainda assim, seu todo não reside
                                              No quociente isolado da parcela!
                                                                                             
                                             (...)”      
 

                                             A. dos Anjos (“As cismas do destino”)         
                                                   
                                                                                                             
                                                                                             
 

Sou um cristal a luzir
uma poesia emprestada
à musa envenenada
pela dor que eu fingir.
 
Os que focam-se em meu brilho
sentem um êxtase de cegos;
vêem, na dor que eu reflito,
um cintilar sobre os egos.
 
É o encanto com um sublime
ciente da sensação
de que as cismas do destino
pedem vidros à razão.
Wancisco Franco
Enviado por Wancisco Franco em 01/12/2007
Reeditado em 31/10/2008
Código do texto: T760032

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Wancisco Franco
São Paulo - São Paulo - Brasil
101 textos (7274 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 14:24)
Wancisco Franco