Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

FLORES DA LAMA

Éramos dois jovens amantes
Duas pessoas felizes e brilhantes
Unidas no amor pela chama.
Por ironia do destino talvez
Nossos corpos pela primeira vez
Foram lançados à lama.

O nosso lar já não tinha paz
Cada um queria dominar mais
Para satisfazer o brio feminista e machão.
A discussão era o nosso prato do dia
Onde o orgulho imperava e não cedia
Aí veio a separação.

Eu segui a minha estrada na boemia
Bebendo nos bares noite e dia,
Cantando as mágoas numa só canção.
Ela também seguiu o seu caminho
Buscando amores fáceis com falsos carinhos
Para esquecer as amarguras do coração.

O tempo passava e quando a saudade apertava
A lembrança maravilhosa retornava
Para os lindos tempos de juventude.
E assim esquecemos os sofrimentos
Revivendo os bons momentos
No seio da inquietude.

Porém, as forças nos abandonaram
Nossos corpos solitários cansaram,
O destino cruel não teve piedade;
Nossas mãos já não tinham mais firmezas,
Nossos rostos enrugados banhavam-se em trsitezas,
Veio a velhice, foi-se a mocidade.

Ela ainda saiu da lama para me procurar
Querendo o seu amor sem orgulho me entregar
E construirmos o nosso lar sem vida profana.
Porém, ela andou, andou, andou...
E não me encontrou
Porque eu não saí da lama.
Carlos Melgaço
Enviado por Carlos Melgaço em 04/12/2007
Código do texto: T764642

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Carlos Melgaço
Vitória da Conquista - Bahia - Brasil, 59 anos
1128 textos (33115 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/08/17 01:49)
Carlos Melgaço