Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Prosa, Verso; Converso e Desconverso


Não quero os elogios dos teóricos e acadêmicos,
Respeito-lhes, contudo, escrevo para mim e para o povo,
Povo de poucos critérios, honrarias ou medalhas de ouro,
Reconhecimento?! Julgo algo vago, pretensioso, endêmico.

Ou seria anêmico? Sonho de autores quase neurastênicos,
Se eu sou do povo, quero ouvir apenas a opinião do povo,
Povo sofrido, povo honroso, povo arroz e feijão, povo ovo,
Seja velho ou novo. Logo, fujo dos anseios helênicos.

Prosa, verso, converso e desconverso a minha tão provável fama,
Mas sim, eu sou assim: ação, reação, escuridão, claridade, sujo e limpo,
Nas minhas palavras amo, odeio, beijo, execro, sou reto ou minto,
Poeta marginal?! Não, senhor pedestal, sou mesmo é poeta luz e lama,
Lama-chama, lama-fama, lama-cama e, convenhamos, lama-grama.




Todos os Direitos Reservados pelo Autor.
Fábio Pacheco
Enviado por Fábio Pacheco em 18/08/2006
Reeditado em 22/08/2006
Código do texto: T219010
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Fábio Pacheco
Recife - Pernambuco - Brasil
1095 textos (55961 leituras)
10 áudios (233 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 11:03)
Fábio Pacheco