Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

EU AMO A MORTE

Eu amo a Morte,
Não a morte matada
Nem a morte morrida
Eu amo a minha mãe querida
Aquela que realmente me deu a vida
Meu querido Ikú, só posso amar você!
Porque quando as Potestades Celestiais
Se reuniram para as nossas vidas traçar
Tu que na realidade é um Orixás!
É Ikú mas também é Ìyá-mi Òsòròngà (um grande ventre)
foi transformado em morte na linguagem dos Yorubás
Sentadinho num canto estava a observar
Olórun quebrar a cabeça e os demais Orixás a lhe ajudar;
Todos Eles corriam pra lá e pra cá,
Procurando uma maneira para forma nos dá
Apresentaram várias “coisas” mas nenhuma delas
Serviu para nos modelar!
Umas derretiam, outras o fogo consumia
Então, valeram-se da “senhora Lama”,
Mas esta se danou a chorar!
Os deuses orixás, coragem não tiveram para a “Lama” carregar
Foi então que você Ikú, que é “Morte” em Yorubá
Destemida como és, se levantou e a “Lama” (eerúpé) foi pegar
E não teve misericórdia do pranto que eerúpé passou a derramar
Levou eerúpé a Olódúmarè, o Deus de todos os Orixás
Que foi logo pedindo a Òrisàlá, que com a ajuda de Olúgama,
Passaram a nos formatar!
OS “Bonequinhos” foram tocados
Por todos os orixás, que era para abençoar,
Olódúmarè satisfeito, seu hálito assoprou e
Os “Bonecos” criaram vida, acreditem!
E naquela mesma hora, começaram a falar,
A andar e gargalhar. Foi uma grande festa,
A festa da criação, e a partir daquele instante
O planeta já tinha “Irmãos”.....
Olódúmarè no entanto, disse para Ikú,
Fostes tu quem dera um jeito, e Eles
Saíram perfeitos, então és tu quem deve
Em seu lugar a qualquer momento recolocar
Foi ai que surgiu a ingratidão, arrogância do homem na proporção de sua ignorância.
O homem na "infância", achou que tudo o que se criou
foi feito para ele,
Então o “boneco” se encheu de razão
E para a “Lama” não quis mais voltar
Virou um falastrão, canalha e safadão
Para fugir da  responsabilidade de um dia
Para a “Lama” retornar, deitou a língua em Ikú
E passou a difama-lo. Inventou as piores coisas
Para inimigo ficar, achando que assim,
Da Morte iria se livrar.
Passou a difamar Ikú, para mais aliados encontrar,
E saiu pela terra inteira soltando
Boataria em todos os lugares.
Se escondeu de todos as formas para Ikú ludibriar
Inventou cosméticos e plásticas
Para Tânatos não encontrar.
Quando viu que não tinha jeito, se entupiu
De remédios para o regresso retardar.
Mas tudo isso é besteira,
Pois Ikú tem natureza própria!
Não fica fixa num lugar
Tem o mundo inteiro pra rondar
E quando chega a sua hora, vai lhe levar embora
Pois tem outro para fabricar.
Então querido Pai/Mãe
Quando chegar a minha vez venha me buscar,
E sorrindo vamos juntos o caminho trilhar
Pois lá é o meu lugar
E é lá que devo morar!
Ainda quero agradecer a quem me deu a forma
E aguardar uma nova aurora,
Para continuar a caminhar.
RAYSAN DE SOUZA
Enviado por RAYSAN DE SOUZA em 18/09/2006
Reeditado em 27/02/2014
Código do texto: T243222
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
RAYSAN DE SOUZA
São Paulo - São Paulo - Brasil
235 textos (45011 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 01:26)
RAYSAN DE SOUZA