Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Olhar das flores...

Afastam de mim os espinhos que ferem e sangram, desabrocha em meu viver a sede de justiça, a verde esperança.
Molda-me feito vaso de barro com tua mão divina, restaura a crença de viver pela fé onde tudo espera em Ti, Senhor.
Ensina-me a perdoar uma ofensa e remove do meu coração qualquer vestígio de rancor.
Pesa seu manto protetor sobre mim, dando-me sabedoria, mansidão e uma alma alva como a neve, que meu viver, Senhor...
Seja de terra fértil onde as sementes do teu amor incondicional foram lançadas, germinam em meu viver o amor ao meu semelhante como a mim mesma, sendo fiel aos teus princípios, em verdade absoluta.
Sou grão de areia que escorre dos dedos, mas em mim, desenvolve força além de minhas entranhas e visão além das palavras que proferem os lábios, que eu aprenda a amar sem distinção, sem exigir de ninguém perfeição.
Do mel que escorre da rocha, seja doçura para meus dias aqui nessa terra, de minhas fraquezas faça com que eu cresça amadurecida no teu amor.
Livra-me de corações que nutrem da escuridão o sustento e seja o cajado para minha passagem nesse mundo, e com minhas quedas...
Tu ó Deus é a mão estendida, o amor na sua magnitude, e mesmo com tua soberania está comigo por onde for.


Assim seja.


Escrito no ano de 2005.
Por Águida Hettwer
Águida Hettwer
Enviado por Águida Hettwer em 11/01/2006
Reeditado em 31/01/2006
Código do texto: T97114

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Águida Hettwer
Sapiranga - Rio Grande do Sul - Brasil, 42 anos
1258 textos (116446 leituras)
15 áudios (2138 audições)
6 e-livros (2257 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 22:55)
Águida Hettwer

Site do Escritor