Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Pecador

Mergulhei no intimo do meu ser
E recebi voz de prisão
Fui algemado pela consciência
Pois descobrir na manifestação da carne
As obras que a mim condenam

Vivo num corpo refúgio
E imune sou no concreto
E não me assusta o tolo juiz
O espelho que só reflete o externo
Um aparente julgamento que é
Um visto  que a mim dá credito


                   A Prábola do Fariseu e do Publicano

E disse também esta parábola a uns que confiavam em si mesmos, crendo que eram justos, e desprezavam os outros: Dois homens subiram ao templo, para orar; um, fariseu, e o outro, publicano. O fariseu, estando em pé, orava consigo desta maneira: O Deus, graças te dou porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros; nem ainda como este publicano. Jejuo duas vezes na semana, e dou os dízimos de tudo quanto possuo. O publicano, porém, estando em pé, de longe, nem ainda queria levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: O Deus, tem misericórdia de mim, pecador! Digo-vos que este desceu justificado para sua casa, e não aquele; porque qualquer que a si mesmo se exalta será humilhado, e qualquer que a si mesmo se humilha será exaltado.    Lc 18:9-14
Antonio Sergipano
Enviado por Antonio Sergipano em 10/10/2007
Reeditado em 13/05/2011
Código do texto: T688035
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Antonio Sergipano
Aracaju - Sergipe - Brasil, 62 anos
412 textos (96555 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/08/17 16:28)
Antonio Sergipano