Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Quando Nasce Um Rio

QUANDO NASCE UM RIO


“Quem crê em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva”.
(JO 7.38)


Dirigir-se a uma fonte de água em pensamento
excita a memória ao momento da concepção,
da origem, do começo.

Gerado nas entranhas do mundo o rio
nasce criança.
Concebido, salta para a vida.


Deslizando-se no leito da terra até sucumbir
no encontro das grandes águas.

Seus primeiros passos é um turbilhão
purificador.
Extirpando da casca da terra todo
impudor estéril.

Porém, paulatino, escorregando suavemente
sobre a infecundidade de seu berço,
acrisola sua sujidade, polindo-o.

Sua sinuosidade não implica facilidade
do trajeto, antes, ilustra que sempre
há uma saída para os obstáculos do percurso.

A magnitude da sua força é proporcional
a abundância da origem.

As quedas que se interpõem ao seu destino
não inibem sua marcha, pois, após a bulha
que estas promovem, segue incólume
para o encontro marcado
pela natureza.

Rios que nascem e morrem no ciclo das águas.

Entretanto, não subiu ao coração,
os olhos não contemplaram e a mente
não consegue criar imagens
da fonte de águas eternas.

Águas que saciam a alma seca e fortifica
ossos quebrantados.
Regando o espírito
como a um jardim verdejante,
fazendo-o um manancial.
Águas constantes.
Águas eternas.

Águas que limpam as entranhas do ser,
avalanchando os entulhos do erro;
senhor do homem sem Deus.

Lavando as manchas negras do engano, embranquecendo-os,
inundando os abismos da alma
com as torrentes do amor divino.

Águas de salvação que alegra a vida.
Águas impetuosas, que de rastos levam os obstáculos,
abrindo e fechando portas, erguendo e derrubando reinos,
honrando e desonrando homens.

Águas que nos conduz para o alvo,
que da origem da vida, salta
para a eternidade.

Fonte de vida infinda.

Assim como um rio no Éden regava
o jardim de Deus,
como há um rio cujas correntes
alegram a cidade de Deus,
o Santuário das moradas
do Altíssimo,
como corre um rio do coração
daqueles que bebem da água da vida,
verei o rio, claro como o cristal,
que procede do trono de Deus
e do Cordeiro.
Vinde às águas!
Não com ouro e nem com prata.
Vinde! Para as águas de descanso.

Estás no deserto da aflição?
Vives a sequidão da rejeição?

Ouça a voz como de muitas
águas:
“Se alguém tem sede, venha a mim e beba...
do seu interior fluirão rios de água viva”.

Queres saber o seu nome?
Seu nome é Jesus: Fonte de todas águas para todos os rios.
Paulo Cezar Santos
Enviado por Paulo Cezar Santos em 16/10/2007
Código do texto: T696746

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulo Cezar Santos
Aracaju - Sergipe - Brasil, 60 anos
109 textos (13681 leituras)
2 e-livros (70 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 11:49)
Paulo Cezar Santos