Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DISCURSOS DE JÓ EM VERSOS POÉTICOS. CAP. 6.


Então Jó respondendo, disse:
Oxalá de fato a minha mágoa se pesasse,
E juntamente na balança se pusesse a minha calamidade!
Pois, em verdade, seria mais pesada do que a areia dos mares;

Por isso é que as minhas palavras tem sido temerárias.
Porque as flechas do Todo-Poderoso em mim se cravaram,
E a minha alma suga o veneno delas;
Os terrores de Deus contra mim se arregimentam.

Quando tiver erva, zurrará o asno montês?
Ou mugirá o boi junto ao seu pasto?
O que é insípido sem sal, pode se comer?
Ou na clara do ovo há gosto?

Nessas coisas a minha alma recusa tocar,
Pois são para mim qual comida repugnante.
Quem dera que se cumprisse o meu rogo,
E que Deus o que anelo me desse!

Que fosse do agrado de Deus esmagar-me;
Que soltasse a sua mão, e me exterminasse!
Isto ainda seria a minha consolação,
E exultaria na dor que não me poupa;
Porque não tenho negado as palavras do Santo.

Qual é o meu fim, para que me porte com paciência?
Ou qual é a minha força, para que eu espere?
É a minha força semelhante a força da pedra?
Ou é de bronze a minha carne?

Não me desamparou todo o auxílio eficaz?
Em verdade não há em mim nenhum socorro.
Ao que desfalece devia o amigo compaixão mostrar;
A menos que deixasse o temor do Todo-Poderoso.

Meus irmãos houveram-se aleivosamente,
Como a torrente dos ribeiros que passam,
Os quais se turvam com o gelo,
E neles se esconde a neve que no tempo do calor vão minando;

E quando vem o calor,
Do seu lugar desaparecem.
As caravanas se desviam do seu curso;
Sobem ao deserto, e perecem.

As caravanas de Temã olham;
Os vigilantes de Sabá por eles esperam.
Ficam envergonhados por terem confiado;
E, chegando ali, se perturbam.

Agora, pois, tais vos tornastes para mim;
Vedes a minha calamidade e temeis.
Acaso disse eu: Dai-me um presente?
Ou: Fazei-me uma oferta de vossos bens?

Ou: livrai-me das mãos do adversário?
Ou: Resgatai-me de opressoras mãos?
Ensinai-me, e eu me calarei;
Quão poderosas são as palavras da boa razão!

Acaso pretendeis reprovar palavras?
Que é que reprova a vossa argüição?
Visto que como vento seja as razões do desesperado.
Até quereis lançar sortes sobre o órfão,

E fazer mercadoria do vosso amigo.
Agora, pois, por favor, olhai para mim;
Porque de certo à vossa face não mentirei.
Mudai de parecer, peço-vos, não haja injustiça;
Sim, mudai de parecer, que a minha causa é justa.
Há iniqüidade na minha língua?
Ou não poderia o meu paladar discernir coisas ruins?
oliprest
Enviado por oliprest em 27/10/2007
Código do texto: T712220
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Oli de Siqueira Prestes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
oliprest
Manaus - Amazonas - Brasil, 67 anos
2149 textos (181617 leituras)
245 áudios (2546 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 11:28)
oliprest

Site do Escritor