Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DISCURSOS DE JÓ EM VERSOS POÉTICOS. CAP. 7.


Porventura não tem o homem duro serviço sobre a terra?
E não são os seus dias como os dias do jornaleiro?
Como o servo que suspira pela sombra,
E como o jornaleiro que espera pela sua paga,
Assim me deram por herança meses de vaidade;
E noites de trabalho me prepararam.

Deitando-me a dormir, então digo:
Quando me levantarei?
Mas a noite é comprida,
E na cama até à alva, farto-me de me revolver.
 
A minha carne se tem vestido de vermes e de torrões de pó;
A minha pele está gretada, e se fez abominável.
Do que a lançadeira do tecelão, os meus dias são mais velozes,
E chegam ao fim sem probabilidade.

Lembra-te de que a minha vida é um sopro;
Os meus olhos não tornarão a ver o bem jamais.
Dos que agora me vêem não me verão mais os olhos;
Os teus olhos estarão sobre mim, porém não serei mais.
 
Como a nuvem que se desfaz e passa,
Assim o que desce à sepultura nunca subirá.
Nunca mais tornará à sua casa,
Nem o seu lugar jamais o conhecerá.
 
Por isso não reprimirei a minha boca;
Falarei na angústia do meu espírito;
Queixar-me-ei na amargura da minha alma.
Sou eu porventura o mar, ou um monstro marinho,
Para que me ponhas uma guarda?
 
Dizendo eu: Consolar-me-á a minha cama;
Meu leito aliviará a minha ânsia;
Então com visões me assombras,
E com sonhos me espantas.

Assim a minha alma escolheria antes o estrangulamento;
E antes a morte do que a vida.
Para sempre não viveria; a minha vida, pois, abomino;
Retira-te de mim; pois vaidade são os meus dias.
 
Que é o homem, para que o engrandeças tanto,
E cada manhã o visites,
E ponhas nele o teu pensamento,
E cada momento o proves?

Até quando será
Que não apartarás de mim a tua vista,
Nem me largarás,
Para que eu engula a minha saliva?
 
Se pequei, que te farei,
Ó Guarda dos homens?
Por que fizeste de mim um alvo para ti,
Para que a mim me seja enfadonho?

E por que não tiras a minha iniqüidade,
E não perdoas a minha transgressão?
De madrugada me buscarás, e não mais existirei,
Porque agora me deitarei no chão.
oliprest
Enviado por oliprest em 28/10/2007
Código do texto: T713446
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Oli de Siqueira Prestes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
oliprest
Manaus - Amazonas - Brasil, 67 anos
2149 textos (181995 leituras)
245 áudios (2560 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 02:06)
oliprest

Site do Escritor