Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ah! Como é Bom Amar


“E, por se multiplicar a iniqüidade,
o amor de muitos se esfriará” (Mt. 24:12).

Sob um manto de negrume implacável,
Cercado de “multidões” por todos os lados.
Um náufrago na ilha intitulada solidão,
Após soçobrar da nau coração.

Diante de um oceano ofegante por vida,
Meu grito (e muitos gritos) que arde,
Engasgado ressoa.
Espargindo força e vitalidade,
Para aquele aflito mar:
Ah! Como é bom amar!

Como o bramido de ondas furiosas,
Agitando o mar de turbas inquietas,
Vozes distintas ecoam:
Retrógrado!... Simplório!...
Tolo!... Mentiroso!...
Que fazer! Estou ilhado (muitos estão)
Por acreditar que amar é bom.

Meu grito não pode calar.
(Oh, ilhados não se calem!)
Silenciar-me, sucumbiria.
Opto em ficar ilhado (Qual é a sua escolha?)
Que mergulhar num oceano de emoções,
Vazios de vida e sem expressão.
Onde o amor foi excluído,
Banido dos corações.

Zombem de mim.
Torçam o nariz.
Enruguem a fronte.
Olhem-me de lado.
Apontem-me o dedo.
Julguem-me sem tino.
Que digam: és insensato!
Que me avaliem: irresponsável!
Que me considerem: “doido varrido”
Meu grito (e de todos que crêem no amor)
Não pode calar: Ah! Como é bom amar.
Paulo Cezar Santos
Enviado por Paulo Cezar Santos em 29/10/2007
Código do texto: T715188

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulo Cezar Santos
Aracaju - Sergipe - Brasil, 60 anos
109 textos (13681 leituras)
2 e-livros (70 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/10/17 02:34)
Paulo Cezar Santos