Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DISCURSOS DE JÓ EM VERSOS POÉTICOS. CAP. 13.


Eis que tudo isto viram os meus olhos,
E ouviram e entenderam os meus ouvidos.
Também eu o sei; como sabeis vós
Não vos sou Inferior.
 
Mas eu falarei ao Todo-Poderoso,
E quero defender-me perante Deus.
Vós, porém, de mentiras inventores sois,
E vós todos, médicos que nada valeis.
 
Que vos calásseis de todo, quem dera,
Pois isso seria a vossa sabedoria.
Ouvi a minha defesa agora,
E escutai os argumentos dos meus lábios.
 
Por Deus falareis perversidade, porventura,
E por ele mentiras falareis?
Fareis acepção da sua pessoa?
Por Deus contendereis?
 
Ser-vos-ia bom, se ele vos esquadrinhasse?
Ou zombareis dele, como de algum homem se zomba?
Vos repreenderá, certamente,
Se em oculto fizerdes acepção de pessoas.

Porventura não vos espantará a sua alteza,
E não cairá sobre vós o seu terror?
As vossas memórias são como provérbios de cinza;
As vossas defesas como defesas de lodo.
 
Calai-vos perante mim, e falarei eu,
E venha sobre mim o que vier.
Por que tomaria eu a minha carne com os dentes meus,
E na minha mão a minha vida poria?

Ainda que ele me mate, nele esperarei;
Mas os meus caminhos defenderei diante dele.
Também ele será a salvação minha;
Porém o hipócrita não virá perante ele.
 
Ouvi com atenção as minhas palavras,
E com os vossos ouvidos a declaração minha.
Eis que já tenho ordenado a minha causa,
E sei que serei achado justo todavia.
 
Quem é o que comigo contenderá?
Se eu agora me calasse, renderia o espírito.
Duas coisas somente para comigo não faças;
Então do teu rosto não me esconderei:
 
Desvia a tua mão para longe de mim,
E com o teu terror não me espante.
Chama, pois, e eu responderei;
Ou eu falarei, e tu me responde.

Quantas culpas e pecados tenho eu?
Notifica-me o meu pecado e o meu delito.
Por que escondes o rosto teu,
E me tens por teu inimigo?
 
Porventura acossarás uma folha pelo vento arrebatada?
E o restolho seco perseguirás?
Por que escreves contra mim coisas amargas
E me fazes as culpas da minha mocidade herdar?

Também pões no tronco os meus pés,
E observas meus caminhos todos,
E dos meus pés marcas os sinais.
Apesar de ser como coisa podre,
E como a roupa, à qual rói a traça.
oliprest
Enviado por oliprest em 01/11/2007
Código do texto: T718813
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Oli de Siqueira Prestes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
oliprest
Manaus - Amazonas - Brasil, 67 anos
2149 textos (181826 leituras)
245 áudios (2546 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/17 01:55)
oliprest

Site do Escritor