Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DISCURSOS DE JÓ EM VERSOS POÉTICOS. CAP. 14.


É de poucos dias um nascido de mulher,
E, de inquietação, farto.
Sai como a flor, e fenece;
Foge também como a sombra, e não jaz.
 
E sobre este tal abres os teus olhos,
E a mim me fazes entrar em juízo contigo.
Quem do imundo tirará o puro?
Ninguém, estou certo disso.
 
Visto que estão determinados os seus dias,
Contigo está o número dos seus meses;
E tu lhe puseste limites,
E não passará além deles.
 
Desvia-te dele, para que repouso eu tenha,
Até que, como o jornaleiro,
No seu dia tenha contentamento.
Porque há esperança para uma árvore,
Que ainda se renovará se cortada for,
E não cessarão os seus renovos.
 
Se envelhecer na terra a sua raiz,
E morrer no pó o seu tronco,
Ao cheiro das águas brotará,
E como uma planta dará ramos.
 
Porém, um homem morrendo,
É consumido;
Sim, o homem o espírito rendendo,
Então onde está ele?

Como as águas se retiram do mar,
E o rio se esgota, e fica seco,
Assim o homem se deita, e não se levantara;
Havendo céus não acordará de seu sono.

Quem dera que na sepultura me escondesses,
E me ocultasses até que se fosse a tua ira;
E um limite me pusesses,
E de mim te lembrasses, ainda!

Morrendo o homem, porventura tornará a viver?
Todos os dias de meu combate esperaria,
Até que a minha mudança viesse.
Chamar-me-ias, e eu te responderia,
E da obra de tuas mãos terias afeto.

Então contarias os meus passos;
A vigiar sobre o meu pecado não estarias;
A minha transgressão estaria selada num saco,
E as minhas iniqüidades, ocultarias.

Mas, em verdade, a montanha cai e se desfaz;
E se remove do seu lugar a rocha.
As águas gastam as pedras,
As cheias, o pó da terra afogam;

E tu fazes perecer a esperança do homem;
Tu para sempre prevaleces contra ele, e ele passa;
Se o despedes mudas o seu rosto.
Os seus filhos recebem honra, sem que ele o saiba;

São humilhados;
Sem que ele o perceba;
Mas a sua carne nele tem dores;
E lamenta nele a sua alma.
oliprest
Enviado por oliprest em 01/11/2007
Código do texto: T718825
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Oli de Siqueira Prestes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
oliprest
Manaus - Amazonas - Brasil, 67 anos
2149 textos (182022 leituras)
245 áudios (2560 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 15:32)
oliprest

Site do Escritor