Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DISCURSOS DE JÓ EM VERSOS POÉTICOS. CAP. 21.


Dizendo, respondeu Jó:
As minhas razões ouvi atentamente;
E de consolação vos sirva isto.
Sofrei-me, e eu falarei;

E havendo eu falado, zombai.
Porventura é do homem que eu me queixo?
Porém, ainda que fosse assim,
Por que não se angustiaria o meu espírito?

Pasmai, e olhai para mim;
E ponde a mão sobre os lábios.
Porque me perturbo quando me lembro disto,
E a minha carne é de horror sobressaltada.

Vivem os ímpios, por que causa,
Envelhecem, e ainda se robustecem em vigor?
Sua prole se estabelece perante a sua face;
E os seus renovos perante os seus olhos.

Têm paz, sem temor, as suas casas;
E a vara de Deus sobre eles não está.
O seu touro gera, e não falha;
Pare e não aborta a sua vaca.

Como a um rebanho fazem as suas crianças sair,
E seus filhos andam saltando;
Levantam ao som da harpa e à voz do tamboril,
E alegram-se ao som do órgão.

Na prosperidade gastam os seus dias,
E à sepultura descem num momento.
Retira-te de nós, dizem a Deus, todavia;
Não desejamos dos teus caminhos ter conhecimento.

Quem é o Todo-Poderoso, para que nós o sirvamos?
E que nos aproveitará se orações lhe fizermos?
Vede, porém, que o seu bem nas mãos deles não está;
Esteja longe de mim o conselho dos ímpios!

Que se apague a luz dos ímpios, quantas vezes sucede,
E que a sua destruição lhes sobrevenha?
E que dores na sua ira Deus lhes reparte?
Porque diante do vento são como a palha;

E como a pragana, que o redemoinho arrebata.
Deus guarda a sua violência para seus filhos,
E dá-lhe o pago, para que o conheça.
Seus olhos verão a sua ruína,

E ele beberá do furor do Todo-Poderoso.
Pois, que prazer na sua casa teria,
Cortando-se-lhe o número dos seus meses, depois de morto?
Porventura a Deus ciência se ensinaria?

A ele que julga os excelsos.
Um morre na força da sua plenitude,
Estando inteiramente sossegado e tranqüilo.
Com seus baldes cheios de leite,

E os seus ossos umedecida a medula.
E outro, ao contrário,
A alma morre na sua amargura,
O bem não havendo provado.

Jazem no pó Juntamente,
E os vermes os cobrem.
Eis que conheço bem os vossos pensamentos;
E os maus intentos com que me fazeis violência injustamente.
 
Porque direis: Onde está a casa do príncipe,
E onde a tenda em que moravam os ímpios?
Porventura não perguntastes aos que passam pelo caminho,
E não conheceis os seus sinais,

Que o mau para o dia da destruição é preservado;
E no dia do furor é arrebatado?
Quem acusará o seu caminho diante dele,
E quem do que faz lhe dará o pago?

É levado à sepultura, e vigiam-lhe a tumba, finalmente.
Os torrões do vale lhe são suáveis,
E o seguirão todos os homens;
Que adiante dele foram inumeráveis.
Como, pois, consolações vãs me ofereceis,
Se nas vossas respostas só resta falsidade?
oliprest
Enviado por oliprest em 05/11/2007
Código do texto: T724154
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Oli de Siqueira Prestes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
oliprest
Manaus - Amazonas - Brasil, 67 anos
1912 textos (176158 leituras)
245 áudios (2456 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 21:39)
oliprest

Site do Escritor