Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DEUS INQUIRI A JÓ. CAP. 39.


Sabes tu o tempo do parto das cabras monteses,
Ou quando parem as corças?
Contarás os meses que cumprem,
Ou sabes o tempo do seu parto?

Elas encurvam-se, dão a luz aos seus filhos,
E lançam de si a prole.
Seus filhos enrijam, crescem no campo livre;
Saem, e nunca mais para elas tornam.

Quem despediu livre o montês jumento,
E quem soltou as prisões ao jumento bravo,
Ao qual dei por casa o ermo,
E a terra salgada por moradas?

Ri-se do arruído da cidade;
Não ouve os muitos gritos do exator.
Anda buscando tudo que está verde,
O circuito dos montes é o seu pasto.

Querer-te-á servir, o unicórnio?
Ou ficará na tua cavalariça?
Ou o amarrarás ao rego com uma corda,
Ou estorroará os vales após ti?

Ou confiarás nele, por a sua força ser grande,
Ou a seu cargo o teu trabalho deixas?
Ou fiarás dele que te torne o que semeaste
E o recolha na tua eira?

Bate alegre as asas o avestruz,
Que tem penas de cegonha;
Ela deixa na terra os ovos seus,
E no pó os aquenta.

E de que algum pé os pode pisar, se esquece,
Ou de que os pode calcar uma fera;
Para com seus filhos, endurece-se,
Como se não fossem seus;

Porquanto está sem temor, debalde é seu trabalho,
Porque Deus de sabedoria a privou,
E não lhe repartiu entendimento.
Quando ela se levanta para correr,
Ri-se do cavalo, e do seu cavaleiro.

Acaso deste força ao cavalo,
Ou revestiste de força o seu pescoço?
Faze-o pular como o gafanhoto?
O respiro das suas ventas é terrível e fogoso.

Escava a terra, e folga na sua força,
E sai ao encontro dos armados.
Ri-se do temor, e não se espanta,
E não torna atrás por causa da espada.

Sobre ele a aljava range,
E também a lança,
O dardo e o ferro flamejante.
Ao soar da trombeta diz: Eia!

E de longe cheira a guerra,
O trovão, e o alarido dos príncipes.
Ou voa o gavião pela tua inteligência,
As suas asas para o sul estendendo?

Ou ao teu mandado se remonta a águia,
E põe no alto o seu ninho?
Nas penhas mora e habita;
No cume das penhas, e nos lugares seguros;

Dali descobre a presa;
Avistam de longe, seus olhos.
Seus filhos chupam o sangue;
E ela está onde há morte.
oliprest
Enviado por oliprest em 10/11/2007
Código do texto: T731390
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Oli de Siqueira Prestes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
oliprest
Manaus - Amazonas - Brasil, 67 anos
2149 textos (181905 leituras)
245 áudios (2549 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 05:00)
oliprest

Site do Escritor