Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DEUS FALA A JÓ DA OPULENCIA DA SERPENTE OU LEVIATÃ. CAP. 41.


Poderás tirar com anzol o Leviatã,
Ou apertar-lhe a língua com uma corda?
Poderás meter-lhe uma corda de junco na venta,
Ou com um gancho furar a sua queixada?

Porventura te fará muitas súplicas,
Ou brandamente te falará?
Contigo fará ele aliança,
Ou por servo tu para sempre o tomarás?

Brincarás com ele como se fosse um pássaro,
Ou o prenderás para tuas meninas?
Dele farão os sócios de pesca, tráfico,
Ou o dividirão entre os que negociam?

Poderás encher-lhe a pele de arpões,
Ou a cabeça de fisgas?
Sobre ele põe a mão;
Lembra-te da peleja, nunca mais o farás!

Eis que é vã a esperança de apanhá-lo;
Pois, não será um homem derrubado só ao vê-lo?
Ninguém há tão ousado, que se atreva a despertá-lo;
Quem, pois, é aquele que diante de mim pode erguer-se?

Quem primeiro me deu a mim,
Para que eu haja de retribuir-lhe?
Pois meu é tudo quanto debaixo de todo o céu existe.
Não me calarei a respeito dos seus membros,
Nem da sua grande força,
Nem da graça da sua estrutura.

Quem lhe penetrará a couraça dobrada?
Quem lhe pode tirar o vestido exterior?
Quem abriu as portas do seu rosto jamais?
Pois em roda dos seus dentes está o terror.

As suas fortes escamas são o seu orgulho,
Cada uma fechada como por um selo apertado.
Uma à outra se chega tão perto,
Que por entre elas nem o ar passa.

Uma às outras se ligam;
Tanto aderem entre si, que não se pode separar.
Fazem resplandecer a luz os seus espirros,
E os seus olhos são como as pestanas da alva.

Da sua boca saem tochas;
Faíscas de fogo saltam dela.
Dos seus narizes procede fumaça,
Como de juncos que ardem, e a fervura de uma panela.

O seu hálito faz incender os carvões,
E da sua boca sai uma chama.
No seu pescoço reside a força;
E diante dele o terror anda saltando.

Pegados entre si, os tecidos da sua carne estão;
Ela é firme sobre ele, não se pode mover.
É firme como uma pedra o seu coração;
Sim, firme como a pedra inferior duma mó.

Os valentes são atemorizados quando ele se levanta,
E ficam fora de si por causa da consternação.
Se alguém o atacar com a espada, essa não poderá penetrar;
Nem tampouco a lança, nem o dardo, nem o arpão.

Ele considera o ferro como palha,
E o bronze como pau podre.
Não o poderá fazer fugir a seta;
Para ele as pedras das fundas se tornam em restolho.

Os bastões são reputados como juncos,
E ele se ri do brandir da lança.
Ele se estende como um trilho sobre o lodo;
Debaixo do seu ventre há pontas agudas.

As profundezas faz ferver, como uma panela;
Como uma vasilha de ungüento, torna o mar.
Após si deixa uma vereda luminosa;
Parece o abismo tornado em brancura de cãs.

Ele vê tudo o que é alto;
É rei sobre todos os filhos da soberba.
Foi feito para estar sem pavor,
Pois na terra não há coisa que se lhe possa comparar.
oliprest
Enviado por oliprest em 12/11/2007
Código do texto: T734357
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Oli de Siqueira Prestes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
oliprest
Manaus - Amazonas - Brasil, 67 anos
1906 textos (176013 leituras)
245 áudios (2453 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 13:54)
oliprest

Site do Escritor