Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

História de Ana Mãe de Samuel (profeta)

                  História de Ana Mãe de Samuel        (74)
                                 Tristeza (1ª de Samuel cap.1e 2:1-10)
                 Há muitos anos, esta história,
                 Certamente, ainda há memória!
                 Do Varão eframita; Elcana,
                Tendo duas esposas; Penina e Ana!
   
                Cada ano, a adora descia,
                Do Senhor, a vontade cumpria!
                A Ana, ele queria e amava,
                E porção dobrada lhe dava!
 
                Penina, ciumenta ficava,
                Por isso, ela a Ana atacava!
               Ana, a Elcana, filhos não dava,
               E por isso, se atormentava!
 
               Pois Deus, a madre lhe cerrou,
               Tanto que esta mulher, chorou!
               Por isso, comer já não queria,
               Porque seu coração tristeza sentia!
   
               Elcana, muito a amimou,
               E com carinho a consolou!
               Num gesto de amor e lealdade,
               Por saber toda a realidade!


   
   
                                                 
                              Oração com Fé
                                        VI
                           Depois de terem, comido;
                          E o corpo, ficar fortalecido.
                          Foi Ana orar, ao Senhor,
                          Tendo orado, com fé e fervor!
                                          VII
                          Aí derramou, seu coração,
                          Em sincera, devoção!
                          Tendo feito voto, ao Senhor,
                          E Deus a escutou, com amor!
                                          VIII
                          Se um filho meu, vier a criar,
                          Eu juro, que o venho dar!
                          Eli o Sacerdote, observava,
                          Como aquela mulher, orava!
                             
                                            IX
                         Julgou-a mal!.. Supondo-a, embriagada!
                         Porém, falando-lhe, viu que se enganava!
                         “Não se deve julgar, pela aparência”,
                         Pois é mau, e de nenhuma decência!
                                             X
                         Então Eli, o sacerdote, a despediu,
                         Dizendo-lhe: Deus lhe desse, o que pediu !
                         Voltando ao santuário, em despedida
                         Orando pela jornada, bem comprida!
                                                XI
                                            Seu filho
                          Então comeu bebeu, e se alegrou,
                          O varão Elcana, com ela coabitou !
                          Sentindo-se grávida, se alegrou,
                          Pois um varão, ao mundo deitou!
                                               XII
                          E Samuel, seu filho se chamou;
                          Foi aquele que, a Israel orientou!
                          Pois foi dele, juiz e profeta,
                          Levando sempre, uma vida recta
                                            XIII
                                         Sacrifício
                          Ao novilho, sacrificando,
                          Foi  a Deus,  sendo ofertando
                          A Deus, o seu próprio filho deu,
                          Pois então, Deus jamais a esqueceu!
                                              XIV
                          Filhos e filhas, o Senhor voltou a dar,
                          Cinco ao todo, para Ana se alegrar!
                          Ao sacerdote Eli, lembrando,
                          Por este menino, estava orando!
                          Agora, ao Senhor, o quero ofertar,
                          Por ele, tanto me abençoar!
                          Para que o sirva, toda a sua vida
                          Para que a promessa, seja cumprida!
 
                                   Cântico de Ana
                                             I
                                Então, Ana orou.
                                Seu coração se regozijou,
                                És Deus de salvação,
                                Em ti tenho protecção!
                                     
                                              II
                                Não há, como o Senhor,
                               A quem devemos, ter temor!
                               Não sejamos, arrogantes,
                               Nem maus, e intolerantes!
                                            III
                               Deus, é Deus de sabedoria!
                               E eu tudo, a Ele daria,
                               Sendo Deus, misericordioso.
                                                           
                                              IV
                               O forte, pode ser quebrado,
                               E o fraco, exaltado!
                               Os fartos, que hoje são,
                               Amanhã, de fome cairão!
                                               V
                               O Senhor, dá a vida e dá fartura.
                               Mas, também faz descer á sepultura!
                               O Senhor, abaixa e empobrece
                               E ao pobre e fraco, fortalece!
                                       
                                   J. Rodrigues   12/01/99
Galeano
Enviado por Galeano em 04/12/2007
Reeditado em 06/12/2007
Código do texto: T765051
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Galeano
Portugal, 81 anos
518 textos (103334 leituras)
14 áudios (2001 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 07:35)
Galeano