Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A ti

Nunca me senti tão sozinha...
Mas já, por muitas vezes me senti igualmente triste.
Por muitos anos escondida chorei.
Por muitas décadas fingi que você não existe.
Muitas madrugadas te lembrando passei.

Quem pode o coração fazer calar?
Onde sepultar os sonhos para que eles jamais voltem a falar?

Como esquecer as canções que você cantou pra mim?
Como apagar os sorrisos que você cravou em mim?
Como ignorar o fogo que você fez arder em mim?
Como te negar, se meu coração grita sim?

As lágrimas rolam-me pelo rosto, mas ninguém as vê,
A saudade dói tão profunda... Mas ninguém pode saber.
A esperança há muito soterrada insiste em aparecer.
E o pranto, este delator, não para de correr.

Como continuar sem ser infeliz?
Como fingir que nada aconteceu se arranquei a árvore, mas ficou a raiz?

A vida continua seu curso e nada nem ninguém pode impedir.
“Lembre-se às vezes de mim” – te pedi ao partir.
Só não imaginei que eu nunca mais me esqueceria de ti.

Alma minha
Enviado por Alma minha em 27/04/2006
Código do texto: T146368
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Alma minha
São Paulo - São Paulo - Brasil, 58 anos
13 textos (781 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 02:13)
Alma minha