Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O SANTO

Parecia um saco de ossos,
com suas roupas miseráveis;
enxergava mais longe
dentro do coração.
Seus olhos penetrantes,
como duas brasas,
queimaram minhas entranhas,
arrancaram meus segredos,
revelaram meus pecados.

E eu caí de joelhos,
com barulho de aço e couro,
com minhas lágrimas de culpa
lavando meu rosto sujo.
E aos seus pés santos;
cheios de sofrimento,
meu ser derramou-se
em forma de lágrima e pó
suor e cordite,
culpa e arrependimento.

Sua voz chamou
com ordem imperiosa,
meus mortos,
meus fantasmas.
Eu fui torturado
meu coração retalhado
sem poder evitar,
pela mente possante
daquele homem magro,
faminto e fraco,
que em macabra orgia,
desfilando fazia,
os mortos reviver.

Quando meus olhos abriram,
o sol estava nascendo,
na dura pedra estava atirado,
o carnaval macabro terminado.

O Santo havia desaparecido.

Katmandu,Agosto, 1977.

Páginas da Memória - Livro Inêdito.
Gabriel Solís
Enviado por Gabriel Solís em 19/08/2005
Reeditado em 20/08/2009
Código do texto: T43636
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Gabriel Solís
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 63 anos
94 textos (7238 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 12:54)
Gabriel Solís