Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ÁLBUM DE FOTOGRAFIAS E MIL LEMBRANÇAS....

ÁLBUM DE FOTOGRAFIAS E MIL LEMBRANÇAS!
Arneyde Tessarolo Marcheschi


Olhando velhas fotos, nos reportamos a um passado, em um tempo que nós vivemos e não nos demos conta de quantas décadas ficaram para trás. As fotos, antes em preto e branco, hoje se tornaram amareladas pelo tempo, mas as paisagens e os personagens vestidos a caráter da moda ainda conservam suas belezas simples e naturais.
Faço uma viagem no tempo contemplando esses velhos álbuns de fotografias que minha mãe conservava com tanto carinho, como se fosse um tesouro; e, hoje, que já não se encontra mais aqui conosco, comecei a sentir o mesmo amor pelo tesouro. De fato, é algo muito precioso. Neste álbum, posso ver meus bisavôs maternos e paternos no dia das núpcias de meus pais; também todos os meus tios, todo o clã. Virando as páginas, encontro fotos da lua-de-mel dos meus pais, no Rio de Janeiro. Como eles eram lindos, felizes e jovens! Que olhar amoroso! Fico me perguntando o que estariam pensando naquele momento...

Talvez estivessem pensando na família que iriam construir...
Viro nova página e vejo minha mãe toda sorridente e embaixo uma etiqueta amarelada com os dizeres: terceiro mês de gravidez; ao lado, meu pai com o sorriso mais lindo do mundo. Continuando a seqüência de fotos, vejo meu pai segurando uma bonequinha no colo e beijando a testa de minha mãe; embaixo, há uns dizeres em letrinhas miúdas, num dourado envelhecido, e um pequeno convite de participação me chama a atenção: “Eu me chamo Arneyde, vim a este mundo para dar continuidade à felicidade que já morava nos corações dos felizes papais Argeu e Zeneyde. 14/05/1949. às 16.00 horas”.
Não saberia descrever a emoção que senti ao ver essas fotos, pois já as havia visto milhões de vezes antes, mas hoje, particularmente, algo me chamou a atenção e um arrepio de frio assaltou-me de repente. Continuei folheando o velho álbum, com algumas folhas coladas e ressecadas pelo tempo, e me deparo com a foto e o convite- participação do meu saudoso irmão Ângelo Marcos. Deus, agora, eu entendo porque tanta emoção e porque minhas lágrimas descem furtivamente quase molhando o velho álbum! Porque, revendo a minha foto de casamento, me dei conta de que nenhum deles está mais aqui conosco. Da minha pequena e grandiosa família, restei apenas eu, e grossas lágrimas descem pelo meu rosto, quando me vejo ali naquela foto vestida de Anjo numa procissão e papai e mamãe que me olhavam orgulhosos.
Passa-me pela cabeça, neste exato momento, o que eles sentiriam se me vissem agora. Não mais aquela menininha bonitinha, mas uma mulher madura, com os cabelos já grisalhos, a testa franzida pelas rugas de tristezas, das saudades, dos choros da solidão, das noites frias e vazias que fazem parte da minha vida atualmente. Em cima da cama, outros álbuns e outras datas, fotos lindas coloridas, nascimento
do primeiro neto, Rodrigo, meu primogênito, e todas aquelas fotos que mais parecem um diário de vida: o primeiro dentinho, começando a engatinhar, a sorrir, a falar papai e mamãe, e na seqüência Rodrigo, anunciando sorrindo ao lado de um papai e dos avós corujas o nascimento da irmãzinha, a minha bonequinha Giovanna, linda, loirinha, pesando 4.950 kg, uma boneca grande.
E novos álbuns são abertos, novas recordações: a primeira Comunhão dos dois pimpolhos, a primeira Formatura do pré, e as viagens à Itália para conhecer os avós paternos, tios, tias, primos, primas, os passeios na neve, visita ao Vaticano, o Teatro de Milão, a casa de Pinochio, a casa de Romeu e Julita em Verona, Veneza, Lago de Como; eles extasiados diante das obras de Picasso e da Mona Lisa, no Louvre em Paris, assustados diante da Torre Eiffel e com o gigante Empire States em N. York, as folhas secas em Chicago, o inverno em São Francisco, eles ainda pequenos deslumbrados com o aeroporto grandioso de Orly e suas gigantescas escadas rolantes; e, finalmente, alegres e sorridentes, ao mesmo tempo aterrorizados, brincando na montanha russa da Disneylândia, em Miami.
Mais fotos e encontro-me diante de uma Igreja lindamente ornamentada para o casamento de meu filho, meu menininho havia crescido, se tornado um homem, e eu não havia percebido, e ali estava eu, relembrando o enlace de Rodrigo e Marcela, a felicidade e os sorrisos estampados nos nossos rostos...
Como num passe de mágica, viro a folha do álbum e me deparo com aquela coisinha linda de nome Lucca, meu primeiro neto. Deus, como são sublimes essas fotos! Mamãe tinha razão, porque estas fotos são um tesouro, é toda uma história de vida que vai sendo narrada aos poucos... Repete-se a história em que somente o nome dos personagens é que muda.
Num outro álbum vejo a minha menininha linda, parecendo uma rainha adentrando a nave da Igreja, conduzida pelos braços do irmão, já que seu pai nos havia deixado, há um ano atrás. Aquele casal lindo, Giovanna e Rodrigo, precedido pelo pequenino e gracioso Lucca, meu netinho; nova comoção, novas lágrimas, porque também se chora de felicidades. No altar, um jovem trêmulo, André, à espera do seu amor, e uma jovem futura mamãe, minha nora Marcela, que sorridentes aguardavam a entrada da noiva e seu irmão, o Padre Getulio Carlesso, que os batizou. E, sucessivamente, como um filme, as fotos vão me mostrando momentos da intensa felicidade que eu vivi, e logo veio o sorriso maravilhoso de Rodrigo e Marcela com o pequenino e lindo Enzo, que havia acabado de nascer; dois netos varões eram tudo que seu pai, o orgulhoso papai Vasco, tanto queria para dar continuação ao nome de sua família Marcheschi. E essa responsabilidade coube aos meus queridos Lucca e Enzo.
Após horas de lágrimas e de sorrisos, estou tranqüila agradecendo a Deus pela dádiva maravilhosa que ele me deu: a minha família, meus pais, meu marido, meus filhos queridos, e meus dois netinhos, que continuarão a escrever novos capítulos dessa história e serão juntamente com os filhos da Giovanna que ainda virão os novos guardiões desse tesouro precioso, o tesouro de meus queridos pais, Zeneyde e Argeu, que foram os primeiros protagonistas da nossa história. É uma história simples, mas rica de um nobre sentimento:
O AMOR!




VITORIA.E.E.SANTO
21.05.2002 - 19:30 hs
www.vidatransparente.com.br

 
Arneyde Tessarolo Marcheschi
Enviado por Arneyde Tessarolo Marcheschi em 29/08/2007
Código do texto: T629095

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Arneyde Tessarolo Marcheschi
Vitória - Espírito Santo - Brasil, 68 anos
153 textos (4829 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/08/17 01:38)
Arneyde Tessarolo Marcheschi