Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Camponês


No pulso não tem hora
O sol é o seu relógio,
Acorda com o nascente
Almoça ao meio ardente
E deita-se com o poente

A noite é um breu,
E do seu terreiro
Vê-se a lua por inteiro
Que ilumina o seu curral.

Adormece
Com o cantar da corda
Que se enrosca com o pau,
Sua cama é uma rede
Descendente do algodão.

A noite é curta
E cedo é a labuta,
Do curral já se escuta
O mugido do gado.

Suas mãos fazem a magica
No úbere de sua vaca,
Das tetas jorra o leite
Induzido pelo seu pasto.

De barro é a panela
De cimento o seu fogão,
Da jurema vem o carvão
Que cozinha o seu feijão

Ele é o patrão
A terra o secretario
Os animais seus empregados,
A mulher luta de lado
Com a forca da paixão.

O seu carro é o cavalo
O acelerador a sua espora,
E os dois repousam próximos
Quando o sol se vai embora.
Ulisses Maia
Enviado por Ulisses Maia em 01/09/2007
Código do texto: T633333

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Transferencia Bancaria para uma conta a indicar por mim.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ulisses Maia
Luanda - Luanda - Angola, 54 anos
903 textos (71430 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/17 03:25)
Ulisses Maia