Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Alvorada de Inverno

Já voei nos mais altos céus
E de lá toquei com as pontas das minhas asas
As chamas das brasas do meu coração
Voei na brisa suave das noites de outono
E acordei na sutil e macia alvorada de inverno

Hoje um anjo sem asas, na noite abafada
Brasa sem chamas no meio dia de verão
Temo por mim por não atinar
Outro lugar onde eu vá encontrar
Quem me devolva as asas, as chamas
a brisa e a macies que perdi no caminho
O sossego e o sono, o fio e a lucidez quase esquecidos

Mas não tão longe, a luz é contida num olhar
E como complemento um sorriso veio ajuntar
Ao olhar feiticeiro um sorriso matreiro

Na doce e inesquecível silhueta do teu corpo
No inebriante perfume do teu beijo
Reencontrei na redoma o que estava perdido
Mas ai de mim agora que não te vejo

Com o coração preso num mundo iludido
Desconcertado, calado e banido
Perdi minhas asas no caminho
A força e a garra me estavam sumindo
Me achaste e mostraste as asas perdidas
Depois foste embora num sussurro do tempo

Posso agora abrir minhas asas
E após profundo suspiro lançar-me em busca dos céus
Anjelus
Enviado por Anjelus em 16/10/2007
Reeditado em 20/01/2013
Código do texto: T695989
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Anjelus
Apucarana - Paraná - Brasil, 40 anos
142 textos (2995 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/17 11:39)
Anjelus