Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Na Madrugada de Setembro

Que noite tão invulgar…
Na qual os insectos mais ousados
Não encantavam nem os ruídos
Dos batuques ribeirinhos assolavam ao calcanhar

Que mais posso versificar
Da baia moribunda,
Ou quiçá da empobrecida bunda
Que nada mais me podia inspirar

Que mais posso escrever se a alma
Cansada de tanto retrato
Daquele homem de pranto
Afugenta a minha inspiração à cama

Cá talvez ser poeta
Não seja assim tão nobre
Porquanto há alguém pobre
Que por amor preferiu ir noutro planeta...

Acreditar que um fio de pensamento
Invada meus desejos noturnos
Para viajar nos devaneios diurnos
É pacientemente alegrar-se pelo sofrimento...

Nesta madrugada de Setembro
Minhas mãos negras e tão pecadoras
Não resistem à escuridão das horas
E num poema, do meu amor me lembro.


Poeta Mandongue, em 15 de Setembro de 2007.

Nkazevy
Enviado por Nkazevy em 31/10/2007
Reeditado em 20/06/2008
Código do texto: T717701
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nkazevy
Benguela - Benguela - Angola, 31 anos
168 textos (11463 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 20:40)
Nkazevy