Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Eu já...

Tomei banho pelado
Fiquei mudo calado
Fiz barba com meu barbeador
Quando com dor de cabeça, tomei Anador
Comi quando estava com fome
Fiz uma tatuagem com um nome
Dormi quando senti sono
E quando dei por mim, acordei com meu próprio ronco
Fui ao banheiro com dor de barriga
Quando fui dar aquela "olhadinha", não tinha lombriga
Passei desodorante pra não ficar com catinga
Sai com uns "amigos" pra tomar uma pinga
Fiz aniversário no dia em que nasci
Pra comemorar, Eu também já sai
Acendi um cigarro apagado pra poder fumar
Porque se ele estivesse apagado, Eu não poderia fumar
Eu dedilhei toda essa minha história triste neste teclado
Não sei se alguém vai ler, mas aqui está relatado
Eu... Olha só! Eu já arrotei de barriga cheia
E mesmo assim, comi a sobremesa!
Coloquei o cotovelo sobre a mesa
Uma mulher de classe burguesa me olhou torto
E então pensei, será que Eu sou louco?
Dei uma pausa neste meu triste depoimento
Parei só por um momento
Tomei água
Adivinhem! Porque estava com sede
O ventilador por alguns instantes amenizou o calor
Fui à cama, pois aqui não tem rede
Voltei, sentei na cadeira!
Meu Deus do Céu, sentei na cadeira!
Agora estou escrevendo mais um pouco sobre o que Eu nem... nem lembro mais sobre o que escrevia
Esperem um instante, vou voltar tudo de novo e dar uma lida
Ah, sim... lembrei
Estava escrevendo sobre a minha triste história...
Senhor, como é triste
Quem me dera poder ir ali com o sabiá e com a palma da minha mão lhe dar um pouco de alpiste
Mas se o fizer, minha gatinha Maldita, o matará
O comerá
E a fome ela saciará
Mas é triste, não é triste?
Tem tanta gente com história triste nesse mundo
Por que não posso então relatar a minha?
Seria Eu, fedido de cigarro, assim tão imundo?
Então...
Eu já fiz isso...
Eu já fiz aquilo...
Mas não vou ficar aqui contando pra vocês tudo que já fiz...
Porque só o que quero é ser mais feliz...
Peguem as coisas boas
Esqueçam as ruins
Se estiver com problemas ao urinar
Talvez seja pedra nos rins...
E não faça da sua vida um livro aberto pros outros
Porque você nem sabe quem pode estar lendo isso aqui
Pode ser tu, pode ser Eu
Pode ser o Papa, pode ser Deus
Mas...
Eu já fiz...
Eu já fiz...
Quem ler tudo isso aqui, já pode até estar meio perdido
Assim como Eu, que já me sinto fu...
Fulgurante entre todos os que escrevem sobre si
De madrugada, Eu já acordei e me levantei para fazer xixi
Por isso, caso alguém tenha lido tudo isso
Não tem nada de mais
Porque não vai ser lendo sobre mim
Que vais saber quem Eu sou
Vai ser através das coisas que Eu fiz, mas não disse
As coisas que as pessoas se esqueceram de lembrar
As coisas que Eu poderia mudar, mas não mudei
Mas vai...
Já fiz...
Já fiz...
Que me importa o que tu fizeste?
Importa-me o que vais fazer ainda...
Salve
Salve
Salve
Amém!

Como, o que, quem?

Pois é isso, podes dizer tudo o que já fizeste
Amanhã ninguém se lembra mais mesmo
Ninguém merece...

Delano Almeida
Enviado por Delano Almeida em 19/11/2007
Reeditado em 19/11/2007
Código do texto: T743248
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Delano Almeida
Belém - Pará - Brasil
71 textos (8817 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/10/17 18:54)
Delano Almeida