Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Andarilhos do vazio


Sobrou do tempo
Interpolados espaços
Vazios de tanto tudo
elevam minha leveza
Nobreza que aos olhos falece
De toda dor despede
Ausência de amor padece

Agora são ícones desesperados
Ao que meus pensamentos andarilhos
conduzem à beira dessa ponte elevadiça

Sobre um poço o pobre e nobre moço cavalariço
diz-se omisso pela turba feliz
por entender do falto que se contradiz

Todo o bem é por muito que se preze
a força que me permite rir e ir
tanto quanto uma multidão me faz chorar

Escapo por entre paisagens que
em mim foram imaginadas
não pela raça
mas sim pela espécie forjada
essa que com toda parvoíce
pelo muito que não é
enche-se de um abundante nada

Oro e toda oração dita sem ser bendita
é sombra que não encanta
Vultos de um vulcão à beira da despedida

Amanhã é a eternidade
Hoje é o sereno do desapego
leandro Soriano
Enviado por leandro Soriano em 24/02/2006
Código do texto: T115836
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
leandro Soriano
Santos - São Paulo - Brasil, 59 anos
199 textos (8367 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 11:01)
leandro Soriano