Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Fobia

Eis que
agora
um sopro qualquer de saber-se carne
é ausente.

Trafegas soluçante
em teu caminho de arquitetura gótica;
és um escândalo;
púbis desnudo
e língua sedenta.

Teus pés com asas,
tua ideologia de tijolo,
os vícios opulentos,
tua rebeldia,
o excremento sagrado e diário
não te consolam.
Tua unha,
o que vale tua unha agora?
E teus contatos influentes?
Tua menina...

Gritar? Correr?
Todas direções de ópio!
Arrancar os cabelos.
Fechar os olhos?
Os olhos, de que te servem
 nesta paisagem tua e solitária; neste evento íntimo?
Tudo existe demais!

E criaturas gigantescas ofendem sismógrafos.
É a televisão?
Teus exércitos dentro de ti
são minúsculos insetos
a devorar-te (dentro para fora)
e ao teu sexo;
couraçados,
virulentos
deletam-te,
configuram novíssimos
edifícios:
pedras de axiomas;
marcham seu artesanato de suicídio,
dizem a reza antiga;
pelos eriçados...
Súbito, um acalanto (por desvio).
Te pões calmo
Saboreando a inútil saudade de quase sentir,
Enxergas face a face
És alheio a toda a fraude
E mundos sem forma passam por ti.

Dorme, pois,
que é manhã pra ti.
Harley Dolzane
Enviado por Harley Dolzane em 16/03/2006
Código do texto: T124242
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Harley Dolzane
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
56 textos (7793 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 15:52)
Harley Dolzane