Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Os sonhos que rasguei.

Os sonhos que rasguei.

Faço contas, equações
E logo no começo me perco
Na imensidão do espaço.
Acabo deslizando em infinitas
Semi-fusas, aos passos
Nômades da era Paleolítica.
Não sei francês, mas só durmo
Ao som de Edith Piaf,
Na tentativa de desvendar
O idioma das obras de Picasso.
Se sonhei, sabe lá, quem saberá?
Quem sabe um dia eu escreva nas
Cinzas do acaso os sonhos que
Sem querer rasguei.
Faço contas, e dos sonhos
Um caso, um enredo ou
Numa nuvem fria um desejo,
Coberto de rosas sem data e nem rota.



Jane Krist






Nos desertos das incertezas e na ânsia de desbravar o limite do real nada melhor que mergulhar na poesia real de Antero de Quental. O poeta que não se intimidou diante da opinião dos “mestres” contemporâneos que recebiam méritos, em seus dias. Fincou seu emplasto e se perpetua diante do efêmero que marca o ser humano.






Solemnia Verba
(Antero de Quental)

Disse ao meu coração: Olha por quantos
Caminhos vãos andámos! Considera
Agora, desta altura, fria e austera,
Os ermos que regaram nossos prantos...

Pó e cinzas, onde houve flor e encantos!
E a noite, onde foi luz a Primavera!
Olha a teus pés o mundo e desespera,
Semeador de sombras e quebrantos!

Porém o coração, feito valente
Na escola da tortura repetida,
E no uso do pensar tornado crente,

Respondeu: Desta altura vejo o Amor!
Viver não foi em vão, se isto é vida,
Nem foi demais o desengano e a dor.












O Palácio da Ventura
"Sonho que sou um cavaleiro andante
Por desertos, por sóis, por noite escura,
Paladino do amor, busco anelante
O palácio encantado da Ventura.

Mas já desmaio...exausto e vacilante
Quebrada a espada já, rota a armadura...
E eis que súbito o avisto, fulgurante,
Na sua pompa e aérea formosura.

Com grandes golpes, bato à porta e brado:
Eu sou o Vagabundo, o Deserdado...
Abri-vos, portas de ouro, ante meus ais!

Abrem-se as portas de ouro, com fragor...
Mas dentro encontro só, cheio de dor,
Silêncio e escuridão – e nada mais!

Antero de Quental


Jane Krist Coffee
Enviado por Jane Krist Coffee em 10/05/2006
Código do texto: T153645

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Jane Krist Coffee). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Jane Krist Coffee
São Paulo - São Paulo - Brasil
503 textos (67744 leituras)
1 e-livros (1205 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 05:54)
Jane Krist Coffee