Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

TAPETE VERMELHO

Nas escuras e sombrias tardes de inverno,
No ímpeto e tenebroso céu...
É naquela triste e alegre mulher
Há deformações, e não quero fingir
Meus olhos buscam o conforto visual
E fogem da luz,
Posso até estar errado,
Embora  tenho que partir...
No espaço imenso do oceano...
Meu mundo não é banhado pelo mar,
Mas nem por isso,
Nem por aquilo,
Tenho meios para muitas coisas,
E muita coisa para meios nenhum...
Pois a morte está aí,
Qualquer descuido...
No círculo perfeito da vida
A morte é o último caminho a caminhar...
O mundo oferece várias maneiras de se viver
No entanto...
Vivemos da maneira errada.
Eu busco a felicidade,
Mas tenho me equivocado muito...
No que há de mais perfeito
Encontramos uma deformação,
Na mais defeituosa escultura
Enxergamos a perfeição,
Mas às vezes ficamos cegos,
Cegos do bom senso...
Na claridade e na escuridão
Acordamos e dormimos,
Ou dormimos e acordamos,
Mas o que importa?
Tenho o céu tanto à noite
Quanto ao dia,
A diferença é que não se pode ter os dois ao mesmo tempo,
Nem trocar um pelo outro
E tenho a convicção de que podemos perder os dois...
Na margem da vida encontramos o que se costuma
Encontrar às margens...
Mas no leito,
Suas correntes, não acorrentam, nos carregam
E descubro que posso me desprender
Das correntes que não me prendem...
E não tenho a certeza de que tenho liberdade
Pois se nada faço,
Nada pode estar acontecendo...
Mas se o horizonte se abril...
O horizonte não se maio, nem junho, nem julho...
O inverno continua, é agosto
Não por gosto, mas por desgosto:
As árvores estão despidas,
Altas horas, e clara lua,
Cheia, esvazia o céu estrelado da noite nua
Nas sombras estão a água fresca,
No oceano ímpeto mora a fúria do calor,
Firmamento escuro...
Abandonado e bem calmo e amargo,
Voltamos  e estamos  realmente na realidade do que é real,
Bem mais parece um pesadelo,
Embora desfrute do prazer,
Queria poder, poder querer e ter tudo o que poderia,
Se não fosse o que eu tenho e não quero,
Portanto, assim, eu tenho o poder de querer tudo,
E nunca tenho tudo o que quero,
Pois o que queremos é sempre mais do que podemos,
Mas nada tem acontecido,
Tudo pode acontecer...
Lembro-me que tudo é nada,
Nada do que tudo tem é realmente tudo o que poderia ter,
Sempre é possível acrescentar algo mais...
Então, tudo é tudo,
Desde que nada seja nada...
A vida pode ser vista de muitos ângulos,
Mas a vida não busca a perfeição,
No entanto existe a morte perfeita,
Viver com imperfeições é viver os desafios,
Viver perfeitamente é ter tudo
E não entender que se pode ter mais...
Na clara e gostosa manhã de verão,
Sente o vento suave acariciar sua pele
E o sol bronzeá-la, deixando marcas para sedução,
No escuro que faz da noite é aquele rapaz que vai...
No verão acontecem muitas coisas,
Mas ainda você  não sabe,
O inverno não acabou...
Não posso estar aqui imaginando o amanhã,
Sem primeiro entender o que está acontecendo...
O paraíso não está por cima de nossas cabeças,
Nem o inferno é onde vivem as formigas,
O inferno não está por debaixo de nossos pés!
Está na má intenção
Assim como o céu, é a boa ação
O dever bem cumprido de ser humano
A capacidade de amar sem querer forçar que te amem,
É dar sem exigir troca, ter misericórdia...
Não querer se aproveitar da boa vontade dos outros
Enfim, é fazer o caminho certo por onde anda para que não caia,
Quando morrer será apenas cinzas
Enquanto estamos vivos somos realidades...
E a nossa realidade não pode ser tão vã
A ponto de usar o pior que temos,
Ao invés de darmos o nosso melhor,
Mas se tudo posso,
Posso melhor e mais...
Um olhar revela a pureza de uma criança
E os planos malignos do governo,
Você já ouvir falar em demônio, eis o que dificulta as coisas,
Em que se baseia a política?
Partidos dividem: Isso Por Isso Mesmo.
Estão  preocupados muito mais em destruir os adversários
Do que com o problema maior,
Por mais que tentem corrigir,
Nunca chegam ao extremo de resolvê-lo
A manhã seguinte será somente a manhã seguinte,
Na busca por explicações o que eu vou dizer?
Somente o que penso, mesmo se nada penso,
Às vezes penso que estou no fim das coisas,
Mas este não é o fim das coisas,
Embora estejamos próximos...
Esta minha vida de nada adianta,
Tudo é agora, para quê adiantar?!
Meus pensamentos são insistentes,
Na madrugada vou me levantar...
Ficarei acordado o tempo suficiente
Até descobrir por que a felicidade está tão longe...
Não busco ser feliz por coisas que trazem
Tristezas às outras pessoas,
Mas a felicidade em comum,
Porque somos comuns
Por que devemos ser incomuns?
Por que não nos unimos?
Não posso ficar aqui mais uma vez
Devo buscar novos horizontes,
Não preciso buscar novos amigos,
Mas fazer outras amizades,
Posso ficar, e assim conseguir vencer,
Não quero partir...
Na escuridão, vamos sempre procurar a luz,
Na vida, procuramos um amor,
Mas eu não procuro um amor,
Tenho muitos amores...
E os que ainda não tenho,
Virão me procurar,
Tenho certeza de que não é preciso fugir,
Assim como sei que a vida acabou...
Ela sempre acaba,
E sempre ressuscita,
E vai para o paraíso nos corações,
Se encontrar com Deus,
A impressão que tenho é que
As pessoas que mais merecem glórias
São as que mais sofrem...
Sob os poderes de Pilátos o maior homem
Morto numa cruz, injustamente...
Penso, se a morte é uma glória,
Porque há vida?
Por que choram em velórios e enterros?
No mundo existe muito sofrimento,
E por mais que eu tento entender,
Nunca chego numa conclusão unânime...
A vida é difícil para muitos,
Mas o mundo é melhor do que se imagina,
Algumas “Minorias” de pessoas vivem no paraíso da terra,
E a “Maioria” é o “Tapete Vermelho”
Por onde caminham a minoria com seus saltos altos
Sangrando-o,
Cada vez mais sangue é derramado,
Cada vez mais  o povo é pisoteado,
Essa “Minoria” está sempre se beneficiando sobre o “Tapete Vermelho”...
E sob os sapatos,
As lágrimas caem manchando a cor vermelha...
A “Minoria” não se importa,
Pois a fama é passar pó cima de um belo tapete vermelho,
O sucesso é estar por cima,
Mas meu Deus podemos caminhar juntos por tapetes brancos,
E ainda podemos conquistar o sucesso em harmonia,
Mas todos querem o caminho mais fácil,
E o caminho mais fácil é vencer sozinho...
Embora todos saibam que não está certo,
Muitas vezes você me viu fazer coisas erradas,
Mas poucas vezes me disse o que fazer,
Somente fez do seu modo,
Cada pássaro tem seu próprio ninho,
E eu não posso ser igual a ninguém,
Não quero ser igual a ninguém,
Não quero que ninguém seja igual a mim,
Só penso que todos podemos ser melhores...
E a vida, minha vida, o que seria de mim sem você?
Morte? Pois bem, o que é a morte?
Ninguém sabe realmente,
Mas aprendemos que é o inverso da vida ou sua continuação,
Não sabemos se é bom ou ruim,
No entanto é maravilhosa a vida!
O nascer dela,
O crescimento de uma criança,
Seus sorrisos, o brilho de seus olhos...
Uma planta pode dar bons frutos se bem cultivada,
Do contrário será como frutos podres ou estragados,
Como madeira para cupim,
Mas o pior é que as crianças, frutos da vida
Sofrem com os cupins dos outros...
No vazio que há em minha memória,
Encontro uma lembrança esquecida que não me lembro mais ...
Na primavera será melhor,
Fará menos frio na madrugada,
E pelo menos as flores nos darão conforto,
Mostrando que o mundo pode ser belo, e pode ser um inferno,
Depende de que olhos se enxergam,
Para qual direção olha,
Se para as pétalas ou para os espinhos,
E concluirá que olhamos muitas vezes,
Mais para os espinhos, e por isso mais vezes nos machucamos,
Esquecendo que de outra forma,
Com diferente maneira de enxergar a vida,
O sol e a chuva transformam uma semente em vida,
O amor transforma a vida em esperança,
E quem sabe algum dia caminharemos,
Olhando para as flores com olhos de criança,
Com inocência no coração, paz na alma,
Todos juntos e contentes sobre “Tapetes Brancos”.
Damaso
Enviado por Damaso em 08/07/2006
Reeditado em 08/07/2006
Código do texto: T189772
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Damaso
Rio Manso - Minas Gerais - Brasil, 34 anos
326 textos (17038 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 16:26)
Damaso