Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MEIA-NOITE- Francisco Simões




Meia-noite, meia-lua,
Meio tom, meia verdade,
Meia paz pela cidade,
Meio trânsito na rua.
Passos meio hesitantes,
Braços meio picados,
Copos meio bebidos,
Corpos meio tombados.
Meio cigarro apagado,
Meio jornal esquecido,
Meia luz e dois amantes,
Meio-fio, dois assaltantes.
Um calor meio atrevido,
Uma janela meio aberta,
Um corpo meio despido
E uns olhos meio alertas.
Meia-noite, meia hora,
Meia lua, meia volta,
Meio mundo dorme agora,
Meia polícia na escolta.
O morro meio às escuras,
A vida meio assustada,
Silêncio, meio amargura,
Uma paz meio acuada.
Meio banco faz um leito,
Meio jornal, cobertor,
Meio olhar é preconceito,
Meia ajuda é pouco amor.
Tiroteio, meia-paz rompida,
A escuridão meio riscada,
É uma bala inteira perdida
E uma vida inteira apagada.
Meia-noite, meia lua,
Meia rua vermelho manchada.

***  Meia-Noite  -  Francisco Simões***
Este poema foi 2º lugar no concurso da Fundação Cultural de Foz do Iguaçu(10/2000)  e  a "Melhor Poesia-Crônica" no 4º  Expressão da Alma, no Rio, final no Teatro Café Arena, em Copacabana
________________________________________________________
luferretti
Enviado por luferretti em 03/09/2006
Código do texto: T231417
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
luferretti
Limeira - São Paulo - Brasil
367 textos (13118 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 16:19)
luferretti