Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CONVERGÊNCIAS ENTRE O HOMEM E O ROBÔ


HOMEM OU ROBÔ?

Sou ser humano,bem robô, bem humano.

sou ativo, moderno e meio marciano.

Sou fácil, sou do mundo, das ruas, academias e baladas...sou das mulheres mais admiradas.

Sou dos escritórios, dos bares e das namoradas...

Não sei bem se penso, se cadastro imagens ou pensamentos. Sei que existo e publico mensagens.

Eu acredito que sou perfeito,

bonito, herói e super-poderoso.

Vivo, amo, gozo!

Aproveito a vida de norte a sul

luto jiu-jitsu e tenho “pitbull”.

Sou fiel, dedicado, rigoroso e ilimitado,

amo a vida e as mulheres

e, mais ainda,

amo meu carro e sonho acordado.

Sou um, todo, universal, o místico, o herói,

único,

belo, convicto e completo,

literalmente competente!

Sou igual a todos, vejo televisão e compreendo.

sou vendido

sou roubado

óbvio e impossibilitado,

ardente e bem amado,

feliz

e bem acompanhado.

Nem sempre desconfio de nada,

nunca percebo

a melhor jogada. Estou nas paradas, vivo em baladas e cada dia tenho uma nova namorada.

Sou um objeto,

passível de engano.

Sou um brinquedo,

fantasia do ser humano,

sou um sonho americano,

ilusão de um estranho.

Sou papel moeda

sorriso de cigano,

status,

fascínio, som de piano.

Sou moeda corrente e não vivo sem gente.

Sou feliz assim e bem coerente.

Sinto a realidade que me cerca

sinto as oportunidades...

Sou amado por muitos

e alheio às adversidades:

__curso universidade.

Não sei se o mundo sobreviverá pela eternidade,

portanto, vivo andando pela cidade.

Sou igual a todos,

"corpo e alma" com aroma de verdade.

Não sou percebido, mas

sou sabido,

vivo realidade,

encaro a seriedade.

Essa é minha lógica,

Objeto do mundo moderno

Meio ameba e meio metrópole,

meio verão e inverno.

Não leio poemas, nem livros de cabeceira,

sou fácil, engrenado e pentelho.

Quando quero me atualizar

leio Paulo Coelho.

Sou o que sou, hermético e verdadeiro.

Sou o consumismo, fashion e pioneiro.

O importante é ter a cara do mundo moderno

não ser estampa de caderno.

Festas, baladeiro, notívago, elmo, fiel escudeiro.

Sair de carro novo e não usar terno.


Sinto que farei sucesso,

breve!

... mesmo que nesta cidade caia neve.



Dedicado à próxima década dos seres estranhos e robóticos...


Wildon

02/09/2006
WILDON LOPES
Enviado por WILDON LOPES em 23/09/2006
Código do texto: T247362
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de AVIENLYW e o site www.wildon.com.br"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
WILDON LOPES
São Paulo - São Paulo - Brasil, 57 anos
269 textos (14458 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 12:43)
WILDON LOPES

Site do Escritor